Pesquisar este blog

domingo, 29 de dezembro de 2013

ANDERSON SILVA: DERROTADO PELO PSICOLÓGICO



Na madrugada do dia 29 de dezembro muitos brasileiros ficaram estarrecidos diante do acidente bizarro que aconteceu na luta entre o ex-campeão  Anderson Silva e o atual campeão mundial dos pesos médios Chris Weidman.
Anderson Silva que estava acostumado somente com vitórias na sua gloriosa carreira, pela primeira vez conheceu uma derrota há pouco mais de quatro meses na luta contra o Chris. Foi uma luta polêmica onde o brasileiro brincou com seu desafiante e acabou sendo nocauteado de forma vexaminosa como eu escrevi aqui nesse Blog. (Lições da derrota de Anderson Silva). Muitos até falaram em fraude, em marmelada. O fato é que o brasileiro que só estava preparado para ganhar, perdeu o cinturão por nocaute.
No dia 29 de dezembro o mundo aguardava por essa grande luta onde o Anderson Silva pela primeira vez entraria no octógno como desafiante. Se preparou para recuperar o seu cinturão e voltar a ser o grande campeão. O que aconteceu afinal?
Como já falei na matéria anterior, não entendo quase nada de MMA. Sou um apreciador e fã do Anderson Silva. Mas na minha humilde opinião o Anderson já entrou no octógno derrotado. E falo isso usando uma tese bem comum amplamente discutida por psicólogos, psicanalistas e filósofos. Uma pessoa que está acostumada a viver no topo, não sabe sobreviver fora dele. Quem está acostumado só com vitórias terá dificuldades para encarar uma derrota.
No caso do Anderson Silva, o mundo estava acostumado a ver o campeão brincar e até desdenhar dos seus adversários. Os figurões do MMA já discutiam uma fórmula para abater o campeão e tornar as lutas mais competitivas, uma vez que não havia páreo para Anderson. Já estava ficando sem graça. Até que apareceu na vida do nosso campeão o americano Chris que já conheceu várias adversidades. Na última delas, teve sua casa destruida por um furacão.
Mesmo com toda a preparação física que o Anderson Silva teve, mesmo com todos os treinos para o grande desafio, faltou um detalhe que não lhe habilitou para a revanche: a preparação psicológica. O campeão Anderson foi preparado e moldado a vida inteira para vencer. Ele não sabia o que era a derrota e no dia em que foi nocauteado, caiu do pedestal, despencou do topo da montanha.
Assim, Anderson Silva entrou no octógno com sede de vitória e com a obrigação de ganhar e recuperar o cinturão. Encontrou um adversário motivado por ter derrubado o grande e invencível campeão. Chris Weidman queria manter o seu cinturão conquistado de forma legítima. Desde os primeiros momentos da luta se demonstrou confiante e preparado para a missão de derrubar novamente aquele que há poucos meses atrás era considerado imbatível.
Quando o seu cérebro não está preparado a derrota é só uma questão de tempo. Qual a possibilidade de um lutador quebrar um osso em um chute na perna do outro? Não conheço outro exemplo. Qual a chance do adversário levar um chute tão forte a ponto de partir o osso do oponente e sair com sua perna ilesa? Isso não parece bizarro demais? O fato é que Anderson, fragilizado psicologicamente, seus ossos viraram gelatina. Notem que mesmo com a violência do chute (arma principal do Anderson), o Chris não saiu nem mancando. Isso não lhe parece esquisito?
Na vida real as coisas são assim. Por isso devemos valorizar as derrotas que acontecem em nossas vidas como ferramentas de fortalecimento. As dificuldades não devem ser evitadas, e sim enfrentadas com consciência. Nossas crianças e nossos jovens tem que aprender desde cedo que a vida é um grande e prazeroso desafio. Existem regras, barreiras e obstáculos que servem para testar nossa capacidade, nossa persistência e nossa perseverança.
Quantos pais na intenção de protegerem seus filhos fazem todas as suas vontades e afastam todos os desafios? Quantos buscam atalhos achando que estão fazendo o bem? Quantas vezes você já transferiu seu filho de uma escola apenas para que ele não encare uma reprovação? Quantas vezes você já comprou aquele presente caro para seu filho apenas para que ele não fique decepcionado ao ver os colegas usando aquele objeto da última moda? Pense nisso!
Viver no topo a vida inteira pode nos deixar fragilizados e numa vida superficial. A queda costuma ser trágica.
Que a segunda derrota do nosso sempre campeão Anderson Silva nos ensine algumas lições:
* A derrota não é o fim. Pode ser o início de uma nova experiência
* A vida é feita de vitórias e derrotas, de altos e baixos. Ninguém vive eternamente no topo
* Seja qual for a sua missão: realize com dedicação, seriedade e envolvimento
*Antes de começar uma atividade se prepare psicologicamente. Uma mente derrotada inevitavelmente leva a um corpo derrotado
* Respeite sempre seus adversários. Eles serão sempre úteis para construir sua vitórias.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

66% DA POPULAÇÃO DESAPROVA A DECORAÇÃO NATALINA DO VALMIR

Esse ano o governo Valmir da Integral conseguiu surpreender negativamente até no seu último ato. A decoração natalina que tem sido um destaque nos últimos anos, esse ano foi um show de mau gosto e despreparo. 

Segundo a enquete realizada nesse Blog, apenas 32% aprovou a decoração natalina. 20% achou mais ou menos e 46% achou ridícula.

Além do mau gosto da decoração, o valor foi estratosférico, na ordem de $4 milhões. Com todo esse gasto, a decoração ainda ficou pela metade e ruas que eram inteiramente decoradas, ficaram às escuras. O pior é que as peças que foram produzidas no ano passado desapareceram, num flagrante desrespeito ao patrimônio público.

Metade dos professores de ensino médio não tem formação específica

Este é o dado divulgado pela Folha a partir da tabulação realizada pelo INEP.

A questão que insisto há anos é: será fundamental esta formação específica ou, antes, a formação na área educacional?
Explico: para dar aula, não se contrata um grande pesquisador em física, mas um especialista em educação. Caso contrário, este conhecimento não servirá para nada. O mesmo em relação à qualquer outra área de conhecimento.

Evidentemente que o melhor é agregar os dois conhecimentos. Mas, para quem conhece a educação básica do Brasil, é evidente que no ensino médio o problema é desconhecimento da profissão de educador. Não sabem como se dá o desenvolvimento dos adolescentes, como um ser humano aprende e muito menos quais as técnicas de avaliação pedagógica indicadas para avaliar cada variável do processo de aprendizagem (memorização, interpretação, relação entre teoria e prática, formulação, compreensão dos conceitos, atitudes, procedimentos para a construção do conhecimento, metacognição, entre outros).

Nas universidades, o caos pedagógico é ainda mais grave.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Afinal... É Natal



Escrevi esse texto há 20 anos atrás. Hoje o escolhi como uma forma de homenagear meus amigos. Feliz Natal e um ano novo cheio de luz e paz.
J. Luiz B. Vieira

No mês de dezembro inicia-se uma maratona natalina. As famílias preparam-se para o grande dia. Todos têm que usar roupas novas, tem que pensar nos presentes, preparar a árvore de natal, receber presentes e amigos, ceia de natal... afinal, é o mês de Natal!

Os comerciantes ficam eufóricos. As lojas com suas vitrines coloridas e enfeitadas a rigor. Cada uma mostra um papai Noel mais gordo e simpático que promete paz e fraternidade... para quem comprar seus produtos, é claro! Tudo tem que estar muito lindo. Luzes, sinos, estrelas, e nas prateleiras muitos produtos para presentes. As promoções são irresistíveis e tentadoras. De qualquer forma, os lucros são altíssimos! Tem que haver muita música, muita alegria, muito alto astral... afinal, é mês de Natal!

Nas igrejas, os pastores preparam suas ovelhas para o grande dia. O espirito natalino se apossa de todos. Hinos de louvores, mensagens, orações... É pregado a fraternidade, a união e o amor ao próximo. Vai haver culto natalino, apresentações e missa do galo. A euforia é geral... afinal, é Natal!

Os empresários, os industriais, latifundiários, os banqueiros e até os políticos, todos ficam com o coração benevolente. Após um ano inteiro de exploração, mentira e corrupção; após um ano inteiro de muita fartura, muitos lucros, é hora da fraternidade. Vai ter presentes para os operários, comida e bebida de graça para os empregados, festas e até campanhas para ajudar os necessitados. Vamos esquecer os problemas e tudo será legal... afinal, é tempo de Natal!

Mas afinal, o que é Natal? Será o aniversário do papai Noel? Será que é aniversário de Jesus? Que magia é essa que consegue entorpecer a todos? O que há de fato para se comemorar?

Para a civilização cristã, o Natal significa o nascimento de Jesus. E quem foi Jesus? Foi um homem que lutou contra a exploração dos pobres, as injustiças, a miséria, o egoísmo e a violência. Foi um grande revolucionário que tomou partido pelos pobres e combateu os opressores. Por tudo isso, foi perseguido e assassinado pelos poderosos da época.

As mesmas pessoas que mataram Jesus continuam no nosso meio. Promovem festas, enfeitam vitrines, fazem campanhas de doação de alimentos e presentes, dão banquetes, pagam 13º e pregam uma falsa fraternidade. Aproveitam a época para ganhar dinheiro, aumentar os lucros e encobrir os males que praticam todo ano.
Por outro lado, milhões de pessoas são exploradas, violentadas, massacradas e humilhadas. São os operários, camponeses, trabalhadores sem terra, desempregados, negros, menores abandonados, famílias sem teto, assalariados, etc... São frutos da exploração e da ganância do homem. Estão à margem da sociedade. Para esses milhões, o natal é diferente. Muitos se revoltam, outros se alegram com as migalhas que são distribuídas. Todos esses marginalizados só tem a miséria, a fome e a dor para repartirem. Confraternizam a pobreza e a angústia.

Enquanto isso muitos continuam festejando com fartos banquetes e nem ao menos lembram o verdadeiro sentido do natal cristão. É uma festa de aniversários onde todos são lembrados menos o aniversariante. O grande homenageado do dia acaba sendo Papai Noel.

Festejar o verdadeiro Natal é ser solidário com os marginalizados e injustiçados. É seguir o exemplo de Jesus – o aniversariante – e se posicionar contra toda forma de exploração do homem pelo homem. É lutar incansavelmente por mais igualdade, mais fraternidade, mais justiça social e mais amor. Fazendo isso, aí sim, poderemos participar do banquete que não terá gosto de fel. Poderemos brindar com o vinho que não terá gosto de sangue, e, finalmente, poderemos dormir com a consciência tranquila de um simples mortal. Afinal... É Natal.

Parauapebas, 15 de dezembro de 1994

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

RETROSPECTIVA POLÍTICA - (PARTE II)

Um Começo Desastroso


O que levaria um prefeito que foi eleito com quase 55% dos votos numa eleição disputadíssima a levar uma sonora e estridente vaia no dia da posse?

A resposta não é tão simples assim. Temos que fazer uma análise cuidadosa voltando ao tempo da campanha. A campanha do Valmir começou mal. Para quem se lembra, até agosto de 2012 quase não se via carro de som ou qualquer instrumento de propaganda da turma do 55 nas ruas. A campanha do candidato governista Coutinho dominava o cenário político. O grande problema é que Valmir não tinha grana e os empresários o viam com desconfiança. Sei de um episódio sobre um empresário de São Paulo que veio a Parauapebas para investir 7 milhões no Valmir em troca da garantia do contrato da coleta de lixo. Um conhecido empresário local que apoiava o Coutinho e depois se tornou o grande financiador da campanha do Valmir convenceu o empresário paulista a desistir da empreitada e voltar para São Paulo. "Isso não tem futuro. O velho não vai ganhar a eleição e além do mais não tem palavra", teria dito o empresário de Parauapebas.

Valmir estava em condições nada favoráveis. Com inúmeros cheques sem fundos na praça e com sua empresa falida, os cobradores o cercavam e os apoiadores fugiam dele. Os candidatos a vereadores o pressionavam e impunham prazo sob ameaça de deixar a campanha. Um importante candidato -vereador Faisal- jogou uma par de terra na campanha do Valmir. Foi para a rádio Arara Azul e anunciou que estaria abandonando sua candidatura. Falou claramente que o Valmir tinha loteado o futuro governo e estava rodeado de gente interesseira, e caso se elegesse o seu governo seria um fracasso. Parece que o experiente Faisal estava profetizando.

A campanha de Valmir foi para as ruas se arrastando somente em setembro. Um grupo de empresários de Parauapebas liderados pelo Zé Rinaldo resolveu por as mãos na massa. O Comitê Eleitoral que era uma bagunça, começou a funcionar em ritmo empresarial. As contas começaram a serem pagas ou negociadas. A agência publicitária que foi contratada ainda não tinha recebido um centavo. Prendia o material publicitário e ameaçava entregar tudo para o Coutinho e ir embora. Com a primeira parcela do acerto resolveu trabalhar mas com uma condição: a garantia de que pegaria o rico contrato de publicidade da prefeitura. E assim aconteceu.

A campanha do Valmir nasceu assim. Em meio a desastre, a chantagens, a promessas e traições. Valmir teve que lotear todo o governo como afirmara Faisal. O problema maior é que ele comprometeu o mesmo espaço com várias pessoas. Um exemplo foi a Secretaria de Educação que ele prometeu para três pessoas. Teve gente que até escolheu sua equipe de diretores e depois ficou a ver navios. Você, caro leitor, acha que isso poderia dar certo? E deu no que deu. O Prefeito se elegeu após uma campanha que não empolgou ninguém. Seus comícios eram vazios e suas passeatas mais pareciam cortejo fúnebre. As carreatas que já se tornaram tradição em Parauapebas ficavam só na promessa: "semana que vem faremos uma para arrebentar", prometiam seus correligionários, e sempre ficava para depois e nada de acontecer. 

Valmir ganhou a eleição fácil. Aí começou seu inferno. Os apoiadores começaram a lhe procurar para cobrar as promessas. Quando ele começou a anunciar seu secretariado descobriram que caíram no maior calote eleitoral da história. Foi a maior fraude eleitoral nunca vista em Parauapebas. Não deu outra. O que era festa e esperança se transformou em ódio e revolta. Isso explica o clima e as vaias que Valmir tomou em plena festa da posse.

Pobre Parauapebas! A mudança prometida e tão alardeada ficou para o futuro.

(A Retrospectiva -Parte III- continua no dia 06 de janeiro de 2014. A maldição do 13 na vida de Valmir)

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

RETROSPECTIVA 2013 NA POLÍTICA DE PARAUAPEBAS -(PARTE I)

O Inferno Astral na Vida do Prefeito Valmir


Ninguém em sã consciência a um ano atrás seria capaz de apostar que o governo Valmir seria esse desastre incomparável. O seu inferno astral começou logo no seu primeiro dia de mandato, exatamente no que deveria ser a festa da posse. Quem não se lembra da confusão que foi esse dia? O que era para ser uma verdadeira festa da democracia acabou se transformando num pastelão e só não acabou em morte porque a turma do deixa disso chegou junto. 

A confusão começou quando o vereador Josineto deu o drible da vaca louca na sua base e aceitou o convite da oposição para ser Presidente da Câmara. Estava tudo certo para o Pavão -fiel escudeiro do Valmir na época- assumir a Presidência do Poder Legislativo. Dizem que esse chegou a promover um churrasco de bode na véspera, que teve inclusive a participação do Josineto. Quando começou a surgir o boato de que o Josineto votaria com a oposição o Prefeito lhe chamou a conversa. O vereador lhe garantiu que tudo não passava de intriga da oposição. Então tá! "Amanhã conto com você", disse o Prefeito. Testemunhas contam que o Josineto e o Pavão ainda se encontraram no banheiro da Câmara no dia primeiro de janeiro antes de dirigirem para a Plenária. Depois de um xixi nervoso, sem lavar as mãos, o Josineto ainda deu um abraço no pavão e disse: "parabéns meu Presidente. Conte sempre comigo!"

Eis que é chegado o momento de registro das chapas. Quando foi anunciada a chapa de oposição com o nome do Josineto como Presidente, a casa veio abaixo. A turma governista chegou junto e as palavras mais carinhosas que a plateia ouviu foram: "traidor", "ladrão", "picareta", "vou te matar", "bandido", "vou te mostrar quem é homem", "agora nessa casa tem macho", etc. 

O Prefeito que só conseguiu eleger 03 vereadores teve que fazer um "exercício" para fazer com que mais 5 vereadores lhe jurassem fidelidade eternamente. Vereadores que só tratavam o Valmir candidato como caloteiro, agora era Valmir desde criancinha. Isso não poderia dar certo nunca. E deu no que deu. Resultado: Josineto que era da base governista virou Presidente da oposição e teria pela frente um mandato cheio de desconfiança e turbulência. E Valmir começou o mandato sem a maioria e sem a mesa diretora da Câmara.

Outro fato interessante que marcou o início do inferno astral do Prefeito foi a estridente vaia que tomou em pleno dia da posse. Isso nunca havia acontecido em Parauapebas. Geralmente no dia da posse o Prefeito é ovacionado com entusiasmo. Um homem que teve quase 55% dos votos não poderia ser diferente. Seria homenageado com todos os louros. Mas afinal, o que aconteceu? O que levou o Valmir a ser tão vaiado logo na posse?

Amanhã tentaremos desvendar esse mistério.

domingo, 22 de dezembro de 2013

Barbosa é candidato ! Gracie também. Viva o STF !


Quer dizer que o senador pelo Rio é o juiz que mantém o Dirceu em cana …

Saiu no Estadão, na bem informada colona (*) da Dora Kramer:

Personagem do ano


Para o bem ou para o mal, de quem se falou mesmo em 2013 na cena política foi de Joaquim Barbosa, alçado à condição de celebridade por sua atuação no caso do mensalão, como relator e presidente do Supremo Tribunal Federal na fase final do julgamento.

(…)

A versão corrente entre políticos é a de que Barbosa “joga para a plateia” com o objetivo de disputar votos. O fato é que ele cogita, sim, entrar na política e vem se aconselhando com gente do ramo para avaliar essa possibilidade.
Aos interlocutores disse que não rejeita concorrer à Presidência. Acredita que, se o fizesse, estaria dando razão às acusações de que conduziu o julgamento do mensalão com a finalidade de angariar apoio político e eleitoral.
Sobre a hipótese de vir a compor uma chapa como candidato a vice-presidente, não abre nem fecha portas.

(…)

A melhor porta de entrada na política, na avaliação resultante das consultas feitas pelo ministro, seria uma candidatura ao Senado pelo Rio de Janeiro.

(…)

Embora a maioria dos partidos diga que a filiação de Joaquim Barbosa não seria do interesse deles, nenhum o recusaria como cabo eleitoral. O apoio do ministro é tido como um ativo imperdível.

(…)

Mas houve também uma negativa propositadamente ambígua: “Nosso respeito pelo ministro é tão grande que sequer aventamos essa hipótese”, disse o senador Aécio Neves, presidente e provável candidato do PSDB, partido forte em Minas e São Paulo e que anda precisando de reforço justamente no Rio, domicílio eleitoral do ainda presidente do Supremo.
Trunfo. A ex-ministra Ellen Gracie, primeira mulher a assumir uma vaga no Supremo Tribunal Federal, está filiada ao PSDB. Assinou a ficha no último dia 5 de outubro.

Sobre o desempenho eleitoral de Barbosa no julgamento do mensalão (o do PT), a Dora Kramer fala por todos.
Sobre Ellen Gracie, nomeada pelo republicano Príncipe da Privataria – que também nomeou Gilmar Dantas (**) para o Supremo – é aquela que tomou decisão histórica sobre os discos rígidos do Daniel Dantas: Dantas não é Dantas, mas Dantas !
Terá carreira retumbante no PSDB !
E por falar nisso, amigo navegante: que juízes do Supremo, esse o mais poderoso do mundo ?
Que pudor !
Que imparcialidade !
Que juízes !




Paulo Henrique Amorim

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

WANTERLOO BANDEIRA NO LIMBO

Desde a demissão do secretário de Obras Dario Veloso, a vida do ex operário Wanterloo Bandeira não tem sido fácil. O novo secretário não o aceitou na SEMOB por falta de confiança, e de lá pra cá ele tem sido jogado de setor em setor sem ter o que fazer. 

De articulador político responsável pela relação entre a Câmara e o Executivo, o rapaz se viu preterido a terceiro plano, pois sua função ultimamente tem sido vagar de gabinete em gabinete de secretários e vereadores levando recados e de vez em quando serve ao líder do governo na Câmara.

O balde de água fria caiu sobre sua cabeça quando o Secretário de Planejamento Wander José Nepomuceno -onde ele está lotado- pediu ao Prefeito sua cabeça. Um informante do Gabinete falou que o Secretário chegou a dar um ultimato: "ou ele ou eu". Wander que trabalhou na Vale teria motivos de sobra para não confiar em Wanterloo, pois ele foi demitido da companhia pelo bem da empresa e chegou a ser impedido de subir a Carajás por um bom tempo, e não conseguiu mais emprego em nenhuma empresa prestadora de serviço da Vale.

Um assessor do Gabinete chegou a questionar  sobre o motivo que levou o Valmir a dar emprego a Wanterloo, pois, segundo ele, até o Prefeito Darci que é do seu partido não teve coragem de dar um emprego a ele. "Se não serviu nem para o PT vai servir para nós?", questionou o assessor que pediu sigilo.

Informações dão conta de que ele já teria levado um cartão "azul", mas como é de praxe no governo Valmir, ele terá a chance de pedir para sair. 

Um grupo de vereadores governistas -incluindo um do PT- estaria fazendo pressão ao Presidente da Câmara Josineto Feitosa para demitir o Diretor administrativo da Câmara para colocar o Wanterloo. Para esses vereadores Wanterloo seria o "homem da mala", o homem de confiança para fazer certos serviços que poucos teriam coragem de fazer. É só aguardar para ver se o Josineto vai ceder.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

ENQUETE NATALINA

O que você está achando da decoração natalina desse ano? Participe dessa enquete que está no lado direito superior. Você tem até o dia 25 de dezembro para votar.

O CARNAVAL ANTECIPADO DE VALMIR

Quando você acha que já viu de tudo no governo Valmir, aguarde. Você ainda pode se surpreender. Depois do carnalama que inaugurou o jeito de governar desse governo, agora o prefeito resolveu antecipar o carnaval para dezembro.

Não queria tratar desse assunto aqui, mas depois de muitas solicitações não resisti. Fico sempre procurando algum aspecto positivo do governo Valmir para tratar aqui nesse Blog. Afinal, como já disse aqui, até torço para que seu governo deslanche, e, sinceramente, até gosto dele. Mas tá difícil essa missão. O assunto do momento que está na boca do povo e nas redes sociais é a decoração natalina. Vocês viram que tremendo mal gosto? Alguém decoraria sua árvore de natal com luzinhas coloridas? Imagine decorar o canteiro central inteiro (ou quase inteiro, pois as lâmpadas acabaram na metade) com luzes de várias cores sem nenhum critério?

Alguém pode até argumentar (forçando muito a barra) que o colorido representa o Natal. Tudo bem. Se quisesse fazer colorido que se criasse um conceito, um layout, tipo um bloco de cada cor. Até poderia ficar bonito. Mas fizeram um verdadeiro circo, ou como estão falando por aí, um carnaval antecipado. É incrível, inacreditável como alguém pode ter tão mal gosto assim. Até parece que foi de propósito para zombar da cara do povo.

O pior é que ninguém sabe nada sobre o processo de licitação. Quanto custou? Comenta-se que esse circo custou 4 milhões de reais. E o pior é que a iluminação além de feia está medonha. Parece que a empresa responsável saiu catando pedaços de pisca-pisca velhos, pois a maioria já está apagada. Até pisca-pisca sonoro, daqueles que tocam uma musiquinha usaram, numa prova de que aproveitaram material velho. E para piorar, nem concluíram o serviço, pois o principal corredor que é a PA ficou pela metade. A decoração se encerra no perímetro da Rua 5.

O povo está sentindo saudade da decoração natalina dos últimos anos. Veja aqui as imagens da decoração de 2012:



Nos anos 2011 e 2012 sob o comando da Odilza (ex-primeira dama) o Natal ganhou uma nova cara e atraiu centenas de pessoas de outros municípios para visitar nossa cidade. Baseado num conceito que valorizava o aspecto ambiental, a sustentabilidade e a economia solidária, com muita competência Odilza conseguiu envolver mais de 300 famílias nesse projeto. Toneladas de garrafas pets foram retiradas da natureza e foram transformadas em obras de artes. Além de reforçar a consciência ambiental, o projeto gerou emprego e renda para famílias de Parauapebas e criou uma identidade de valorização do que é nosso. Várias escolas públicas e privadas foram envolvidas. Assim, o povo se sentia dono do projeto e acabou com um problema que era a destruição da decoração por vândalos.

O governo Valmir de forma desrespeitosa jogou tudo no lixo. Literalmente dois anos de trabalho da comunidade e patrimônio público foram para o lixo.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

SEMAD - MATANDO A SAUDADE

Na quarta feira, dia 11 de dezembro resolvi aparecer na SEMAD para uma rápida visita com o propósito de matar a saudade dos vários amigos que deixei por lá. Como manda o bom e velho princípio da educação, fui primeiro no gabinete do secretário Wadyr para um bate-papo, e só depois fui visitar os demais setores. 

Fui muito bem acolhido pelo secretário e conversamos longamente sobre vários assuntos. O Wadyr -ao contrário do que muitos pensam- é um cara bom de papo e a conversa flui naturalmente sem que ninguém fique olhando para o relógio. 

Tive um imenso prazer em rever meus velhos colaboradores da época que fui secretário daquela pasta. No cumprimento e nos abraços senti aquela energia positiva de um povo que continua trabalhando com comprometimento e felicidade. Tenho orgulho de ter feito parte dessa equipe e ter deixado um legado. Hoje continuamos amigos como se já nos conhecêssemos há séculos. Obrigado por continuarem contribuindo tanto com a qualidade do serviço público!

Não poderia deixar de registrar aqui a impressão que tive da SEMAD e da gestão do secretário Wadyr. Ao adentrar naquele ambiente senti boas vibrações. Ao contrário de outras secretarias que você entra e sente logo de cara um ambiente pesado, na SEMAD percebi uma atmosfera tranquila. Vi servidores trabalhando felizes e um bom clima organizacional. Não vi aquele burburinho típico de ambientes lotados de cabos eleitorais que ficam fingindo que trabalham. Na SEMAD vi um povo feliz e motivado.

Durante a conversa que tive com o secretário percebi a empolgação de um homem que quer contribuir com esse município. Muitos apostavam que o Wadyr cairia antes dos 6 meses. Não caiu e talvez seja o único que se sustente no poder. Baseado em que digo isso? É que o secretário tem mantido uma atitude discreta. É do tipo mineiro "come quieto". Teve inteligência de formar uma boa equipe técnica e manteve nos postos de trabalho os funcionários da gestão anterior que já possuíam boas experiências e qualificações. Não fez como outros aloprados que chegaram trocando tudo e impondo suas regras. Soube conquistar a confiança dos servidores e aos poucos foi imprimindo seu jeito de administrar, garantindo a continuidade dos serviços.

O jeito discreto de Wadyr tem o ajudado a se manter no poder. Num governo que já trocou 13 secretários isso é um feito extraordinário. Ele deve ter percebido que Valmir é egocêntrico e narcisista. Qualquer secretário que se aparecer um pouquinho será defenestrado, decapitado pelo prefeito. Ali a única estrela que pode brilhar é a dele. Nesse aspecto, ponto para Wadyr que com discrição conseguiu vencer um ano de gestão no turbulento governo de Valmir da Integral.


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

PREFEITURA X MEIO AMBIENTE: 2 PESOS E 2 MEDIDAS

Um flagrante de crime ambiental no Morro dos Ventos
Uma certa ocasião quando eu ainda era Secretário de Meio ambiente recebi uma denúncia de retirada de terra em um morro. Mandei a equipe de fiscalização ao local para constatar a denúncia. A Coordenadora de fiscalização me ligou preocupada e me informou que a denúncia era procedente. Só tinha um detalhe: era a própria prefeitura que estava cometendo a infração. Ordenei que fizesse a autuação com todos os rigores da lei. Mesmo colocando minha cabeça a prêmio tomei esta e outras decisões com a maior tranquilidade. E fiz por acreditar que a prefeitura como uma instituição mantenedora da ordem tem que ser a primeira a dar o exemplo. Não pode multar um infrator quando ela própria comete todo tipo de infrações.

Na semana passada uma força tarefa coordenada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente autuou e fechou vários bares e boates em nosso município. Inclusive uma que inauguraria dia 12 de dezembro e estava com uma agenda de shows nacionais, causando um enorme prejuízo. Dizem que o próprio juiz Líbio participou da referida ação.

Parabéns a equipe e aos órgãos que participaram da ação. Concordo plenamente que todos tem que cumprir as leis. Parauapebas não comporta mais esse tipo de empresário que acha que vivemos numa currutela e pode fazer o que bem entender. O grande problema aqui é que a prefeitura não está com moral para fazer esse tipo de ação, pois ela própria é a maior infratora, principalmente em se tratando das leis ambientais. Além de ignorar solenemente as leis, ela ainda protege infratores pelo simples fato de serem amigos ou financiadores da campanha do Valmir da Integral.

Já mostrei aqui nesse Blog um aterro numa APP (Área de Preservação Permanente) que fica após o quartel na rua F, em pleno centro da cidade. O aterro continua sendo feito nos finais de semana e nem sequer tem uma plaquinha com a responsabilidade e autorização. É aterro clandestino mesmo. 

A própria prefeitura está cometendo o maior crime ambiental da história. Está rasgando o Morro dos Ventos com maquinários e equipamentos pesados. Além de retirada de terra está suprimindo uma enorme quantidade de árvores sem nenhum critério. No local não existe nem uma placa de informação e nem sinal de que a obra possui Licença Ambiental. Trata-se de uma encosta de morro (cartão postal de nossa cidade) e qualquer obra ali teria que ter a Licença Ambiental com todos os condicionantes. E olhe lá se a licença seria liberada pelo tamanho do impacto causado a natureza.

 Essa é mais uma afronta do governo Valmir com a sociedade. Esse tipo de comportamento é típico de quem despreza as instituições, as leis e o povo. Típico de quem pensa que pode tudo e confia plenamente na impunidade e na ineficiência das autoridades do judiciário. É do tipo "estou pagando, eu mando".

Se essa obra não for embargada e a prefeitura não for multada aí serei obrigado a acreditar que em Parauapebas o crime compensa. Serei obrigado a acreditar que as instituições estão todas comprometidas e de mãos amarradas devido o dinheiro que a prefeitura banca.



segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

COMO CONQUISTAR MELHORIAS PARA SUA RUA NO GOVERNO VALMIR

Buraco na Rua Paulo Afonso - B. da Paz

Rua Paulo Afonso 15 dias depois

Os moradores da Rua Paulo Afonso no Bairro da Paz, cansados do desprezo e do abandono do governo Valmir, encontraram uma maneira bem humorada e inteligente de reivindicar melhorias para o asfaltamento esburacado. Colocaram uma plaquinha no lago que se formou no buraco (primeira foto acima), insinuando que seria o pesque pague do Valmir. E não é que deu certo? Quinze dias depois o buraco estava tampado e de quebra ainda remendaram outros trechos danificados na mesma rua.

Taí uma boa ideia para reivindicar melhorias na sua rua. É bem mais eficiente do que interditar ruas. Pelo menos não tira o direito de ir e vir do cidadão. Uma ideia interessante que pode ser usada em outras áreas. Por exemplo: quando a prefeitura não recolher o lixo doméstico os moradores juntam todas as sacolas em uma rua e coloca uma plaquinha do tipo "obra de arte do governo Valmir. Olhe sem tocar."

É lamentável que uma cidade com o orçamento que bateu todos os recordes em 2013 e a Câmara ainda aprovou quase 1 bilhão de suplementação a esse "pobre orçamento", os moradores ainda tenham que se submeter a essa prática para garantir o mínimo em termos de serviço público. Vergonhoso e lamentável.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

DESEJO

Uma singela homenagem aos meus amigos
Victor Hugo
Desejo, primeiro, que você ame,
e que, amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer
e esquecendo não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que você tenha amigos
que, mesmo maus e inconsequentes,
sejam corajosos e fiéis,
e que pelo menos em um deles
você possa confiar sem duvidar.

E porque a vida é assim,
desejo ainda que você tenha inimigos,
nem muitos, nem poucos,
mas na medida exata para que, algumas vezes,você se interpele a respeito
de suas próprias certezas.
E que, entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo, depois, que você seja útil,
mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
quando não restar mais nada,
essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante,
não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
mas com os que erram muito e irremediavelmente,
e que fazendo bom uso dessa tolerância,
você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,
não amadureça depressa demais,
e que, sendo maduro, não insista em rejuvenescer,
e que, sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
é preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste.
não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
que o riso diário é bom,
o riso habitual é insosso
e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra,
com a máxima urgëncia,
acima e a despeito de tudo, que existem oprimidos,
injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,
alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
erguer triunfante o seu canto matinal,
porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,
por mais minúscula que seja,
e acompenhe o seu crescimento,
para que você saiba de quantas
muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
coloque um pouco dele
na sua frente e diga "isso é meu",
só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
por ele e por você,
mas que se morrer, você possa chorar
sem se lamentar, sofrer e sem se culpar.

Desejo por fim que você, sendo um homem,
tenha uma boa mulher,
e que, sendo uma mulher,
tenha um bom homem
e que se amem hoje, amanhã e no dia seguinte,e quando estiverem exaustos e sorridentes,
ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
não tenho mais a te desejar.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

O TESOURO (PARTE FINAL)



(...)Agora que você já é capaz de eliminar os pensamentos negativos, se concentre naquilo que você tem. Pessoas infelizes, mesquinhas e egoístas  vivem reclamando de tudo. Se você lhes oferece rosas, vão reclamar dos espinhos. Estão acostumadas a olhar sempre em direção ao seu próprio umbigo que nem percebem que o universo segue o seu percurso independente das suas lamentações. Lembro-me da história de um homem que andava pela rua infeliz, lamentando por não ter conseguido comprar um par de sapatos que tanto desejava. Em uma esquina cruzou com um homem que se movimentava sobre um carrinho de rolimã impulsionado pelas mãos. Não tinha as duas pernas e usava um par de chinelos gastos nas mãos para ajudar a dar impulso ao carrinho. Esse, ao cruzar o seu caminho lhe cumprimentou com um sorriso irradiante. O que estava infeliz sentiu vergonha por estar se lamentando. Enquanto um par de sapatos lhe torturava a alma o seu semelhante não tinha nem pés para calçar sapatos e, no entanto estava feliz. Portanto, aprenda a apreciar a sua vida. Não espere perder o que você tem de valioso para aprender a dar valor. Se você acha que é um pobre coitado responda as seguintes perguntas: quanto vale seus olhos? E sua mão direita? Quanto vale um grama do ar que você respira? Quanto vale seu filho ou seu irmão?

Lembre-se que estamos falando da faxina de nossa mente. Já estamos quase lá. Esse é um exercício diário que exige força de vontade e muita dedicação de sua parte. É como andar de bicicleta. Depois de um bom treino você entra no piloto automático. Por isso, não é demais repetir: esvazie seu cérebro de tudo o que há de negativo. Não pense que seus problemas são mais importantes do que os problemas de ninguém. Na verdade, eles só existem porque você deu muita importância a coisas desnecessárias, são monstros criados e alimentados por você. Quer medir o tamanho dos seus problemas faça o seguinte exercício: pense que importância eles terão em sua vida daqui a seis meses, daqui a um ou dois anos. Uma dívida pode ser um grande problema, mas quem foi que criou? Uma demissão repentina pode ser um problema se assim você o encarar. Mas por acaso você não tem pernas e braços para reagir? Pessoas fracas e desmotivadas se afundam nos seus problemas a ponto de ficar tão cegas que não enxergam a solução que está à sua frente. Por isso não estamos falando de nenhum milagre ou fantasia. Quando você adota atitudes positivas, quando você valoriza as pequenas coisas da vida, quando usa sua energia criadora é como se tirasse uma trava dos olhos. Tudo flui naturalmente e todo o universo começa de repente a conspirar a seu favor. Lembre-se: você é aquilo que você pensa, o que projeta no seu cérebro e as pessoas verão você exatamente como você se vê.

Depois de todos esses passos, você está preparado para alcançar seu tesouro. Ou será que não?  Se for capaz de identificar o seu tesouro, então está preparado. Agarre-o agora com entusiasmo e confiança. Se ainda não identificou, não desanime. Volte ao início e treine mais um pouco, que quando você menos perceber ele saltará aos seus olhos.

Boa sorte!!!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

A ONDA VERMELHA


A Av Bom Jardim "vermelhou"
Os moradores dos bairros Caetanópolis e Bela Vista encontraram uma maneira bem criativa de protestarem contra o descaso da atual administração municipal. Os comerciantes enfeitaram todo o canteiro central da Avenida Bom Jardim com bandeirolas vermelhas. Ficou bonito de se ver.

Curioso que sou, parei e perguntei a um comerciante o que significava aquilo. Ele pediu para não ser identificado alegando medo de retaliações e explicou que era um protesto contra o caos que virou a cidade de Parauapebas depois que os "azuis" tomaram conta do governo. A cidade vive numa quebradeira e o dinheiro está indo só para gente de fora. "Eu votei no Valmir acreditando na mudança, mas mudou... para pior, afirmou o denunciante. Para resumir ele disse a célebre frase: "nós era feliz e não sabia."