Pesquisar este blog

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

SESSÃO DE 29 DE SETEMBRO - O CIRCO PEGA FOGO

Ontem (29), o público presenciou mais um espetáculo circense, só que dessa vez com muito barulho e demonstração de desrespeito contra o cidadão. Depois do golpe que o Brás deu nos vereadores de oposição na semana passada (22), muitos esperavam que dessa vez, o tal pedido de afastamento do prefeito apresentado pelo Raimundo Pires dos Santos entraria na pauta e seria aprovado pela maioria absoluta. A expectativa era grande em torno desse tal afastamento. A oposição confiava plenamente nos quatro votos da bancada do PT após uma resolução do diretório que orientava-os a aprovar o afastamento. Dessa vez, parecia que o Valmir estaria perdido. Parecia!

O Valmir que não é bobo, aproveitou a preciosa semana que o Brás conseguiu na marra e tratou de reorganizar sua base rebelde. Chamou seus soldados e ajudantes de ordens e preparou o golpe: a representação do Raimundo Pires não poderia entrar na pauta, custasse o que custasse; a câmara teria que estar lotada de pessoas "voluntárias" (funcionários contratados, assessores, moradores de rua...) para abafar a oposição - veja detalhes aqui; seria preparado uma ameaça de gravação de vereadores da oposição que supostamente teriam comprado outros vereadores, para deixá-los intimidados e com medo; um panfleto apócrifo circularia atacando o principal vereador da oposição - Massud. Estava tudo armado para dar um banho de água fria na oposição e desiludir os que sonhavam com o afastamento do Valmir.

O golpe


Logo no início da sessão a oposição sentiu o golpe triplamente:

1- O Valmir conseguiu lotar a câmara com gente de todo tipo para pressionar e desmoralizar os vereadores de oposição;

2- O tal do Raimundo Pires, motivado por "forças ocultas" retirou a representação contra o Valmir pouco antes de iniciar a sessão;

3- Quatro vereadores fugiram da sessão: Miquinha (PT), Euzébio (PT), Bruno (PP) e Barrão (PSDC).

O Miquinha foi o único que apresentou justificativa. Solicitou uma licença médica justamente na sessão fatídica. Realmente ele teve motivo justo para não comparecer. É que seu médico - dr. Valmir Mariano - recomendou que fosse operado urgentemente do ombro. A cirurgia foi muito séria e levou três pontos. Por isso nosso vereador estava impossibilitado de comparecer à câmara. E vocês pensando besteira do Miquinha hem! Que feio!

Já os demais apenas escafederam sem dar explicações. Corria um boato que o Euzébio teria ido para a Bahia visitar seus empreendimentos financeiros. Ninguém sabe do paradeiro do rapaz, nem mesmo os funcionários do seu gabinete. Virou "bufa de alma"; já o Barrão teria ido cuidar de suas leitoas, enquanto o Bruno...não posso contar o motivo de sua ausência.

Uma verdade inconveniente: "Vereador não tem competência para afastar o prefeito" (Pavão)


Já falei aqui várias vezes que o Valmir está seguro com a sua oposição. O grupo tem demonstrado falta de preparo, falta de maturidade e, tem utilizado das mesmas armas do governo. Sem contar que alguns estão com os pés e as mãos amarrados por comprometimento com esquemas ilícitos. O vereador Pavão chegou a reclamar de que os blogs criticam a oposição sem mostrar sugestões. Eis-me aqui vereador! Se quiser ensinarei os caminhos das pedras e o passo-a-passo para afastar o prefeito. E darei a consultoria inteiramente grátis. Tá lançado o desafio.

Se você constrói castelo sobre areia, inevitavelmente ele vai ruir. É mais ou menos isso o que está acontecendo com grande parte da oposição. Nenhum vereador tem o direito de adotar um discurso derrotista e posar de vítima como temos visto nas últimas sessões. Ontem por exemplo, o Pavão - que vinha sendo o principal articulador da oposição - demonstrou claramente o espírito derrotista. Pavão sentiu o golpe e praticamente jogou a toalha, entregou os pontos. As frases que mais ouvimos de outros vereadores é "estou triste", "infelizmente não podemos fazer nada", "estou decepcionada..." As sessões foram transformadas em sessões de lamentações e murmúrios inertes e improdutivos. A impressão que passa é que os vereadores não conhecem o seu verdadeiro poder. Repito: bastaria um único vereador para usar de instrumentos legais e botar o Valmir de joelhos. Exemplo: vão engolir o golpe arbitrário e ilegal do Brás? Vão deixar passar em branco a manobra da convocação do prefeito e de sua filha Flávia?

A Irmã Teca que chegou agora está mais perdida do que cachorro em passeata estudantil. Ainda não sabe se é oposição ou governo. Só para sacaneá-la, o vereador suplente Zacarias cometeu uma indelicadeza ao tornar público uma confidência  da vereadora. Segundo ele, a Teca teria declarado amor incondicional ao prefeito Valmir Mariano. No seu discurso, a Irmã Teca falou que não adianta vereador tentar nada, que tudo virá de Deus. "Entrego nas mãos de Deus e vou fazer meu papel de vereadora". Como assim vereadora? Qual é mesmo o seu papel? Quer dizer que agora o vereador não vai mais fazer nada e jogar tudo para Deus? E onde está aquele princípio bíblico que diz, "faça a sua parte que Eu te ajudarei."? Já estão comentando que a Irmã Teca é a nova Irmã Luzinete da câmara.

Parauapebas está sendo governada pela justiça


Nas explicações finais a vereadora Joelma foi bastante aplaudida até mesmo pelos que foram para a câmara exclusivamente para vaiar a oposição. Sua fala foi um soco no estômago dos governistas e um choque de realidade para aquele povo inocente que servia como massa de manobra. Falou que a prefeitura está sendo governada pela justiça, pois até para fazer uma licitação, é preciso a intervenção do Ministério Público. "Enquanto existe a competência para aliciar pessoas e encher a câmara, não existe competência para comprar remédio para o hospital; não existe competência para pagar o fornecedor com regularidade; não existe competência para sequer manter o convênio  da polícia fornecendo viaturas... Que bom que vocês estão aqui. Agora pensem gente, pensem se é melhor esse agrado que vocês receberam hoje, ou o remédio no hospital, a merenda na escola, a água tratada, o guarda vigiando vocês... Parabéns pra vocês. Obrigada gente".

E assim terminou mais um espetáculo nesse circo dos horrores, ou uma sessão do Grande Conselho do Pântano Azul como refiro no meu livro "O escorpião e a borboleta". Ficou mais do que claro que se o Valmir for afastado, será pela justiça. Jamais pelos vereadores. Esses, realmente não tem competência e nem autoridade como bem disse o Pavão.

VIDA DE GADO

O auge do circo dos horrores


Desde as 15 horas caravanas começaram a chegar na câmara e ocupar os principais lugares. Muitos eram funcionários públicos que foram intimados pelo prefeito e pelos secretários para dar apoio moral ao chefe. Já virou moda: cada vez que o prefeito se vê acuado, convoca todos os contratados que são coagidos a deixar o local de trabalho em pleno expediente. Dizem que foi por isso que o Valmir decretou as oito horas de trabalho. Antes, quando convocava servidores, os mesmos ficavam em suas casas, pois o turno de trabalho acabava às 14 horas, e ninguém se via obrigado a participar. Agora não. Os pobres contratados e comissionados são retirados de dentro das repartições e ficam com medo das retaliações. Um detalhe que chama a atenção é que quando chega próximo às 18 horas, a câmara vai se esvaziando. Os funcionários que já cumpriram sua jornada diária, não se vêem mais obrigados a ficar ali, e saem de fininho.

As caravanas de funcionários vão entrando na câmara com caras constrangidas e procuram os últimos bancos. Cada grupo de 20 tem um chefe que controla a presença e a reação. Esse chefe - geralmente um comissionado - observa tudo de perto, enquanto o secretário dá uma olhada de longe e de vez em quando acena para o grupo passando uma mensagem oculta do tipo "estou aqui de olho". De vez em quando um funcionário desavisado é flagrado com o crachá a vista e logo é repreendido pelo chefe. "Esconda esse crachá maluco. Quer me comprometer é?"

Mas uma outra caravana chamou mais a atenção dos curiosos. De repente, eis que adentra pelo corredor central do plenário da câmara uma multidão estranha e se posiciona bem em frente ao vidro que protege o povo dos vereadores mais raivosos. A primeira vista, parecia um grupo que faria um protesto contra o abandono da periferia. Eram pessoas com o semblante sofrido e notava-se claramente que estavam bastante necessitados. No meio daquela balbúrdia surge um rapazinho alegre e pululante dando ordens e tentando incitar o grupo para fazer barulho. Ao seu lado, um rapaz carregava uma bolsa de onde retirava apitos, cornetas e vuvuzelas e distribuía ao grupo.

O rapazinho pululante estava histérico. Agitava os braços e dava ordens ao grupo. A cada fala de um vereador da oposição, mandava vaiar e apitar com histeria. Quando um governista falava, aplausos e palavras de apoio. Depois fiquei sabendo que o moço era uma espécie de assessor para assuntos aleatórios do prefeito e da primeira dama. Responde pelo nome de Alberto, mas na intimidade do casarão é tratado por outros nomes que são proibidos para esse espaço.

Fiquei observando o semblante daquele grupo que gritava, aplaudia, apitava, tocava corneta e pulava com histeria. Alguns mostravam os sorrisos desdentados, outros mostravam as marcas do abandono e da velhice precoce, causada pelo alcoolismo e pelo sofrimento; eram homens e mulheres sem emprego, sem trabalho (o que permitiria estarem ali naquele horário), e, acima de tudo, sem cidadania. Quantos ali sofriam pela falta de medicamento e atendimento no hospital público? Quantos já não perderam parentes pelo descaso do governo? Quantos ali moravam nas periferias abandonados à própria sorte? Quantos ali não sofriam pela falta dos serviços essenciais e pelo abandono do governo? Quantos naquele grupo tinham filhos nas escolas de péssima qualidade e com o futuro condenado?

Mas independente da miséria e do abandono, estavam ali seguindo ordens do rapazinho pululante. Gritavam histericamente como se tivessem hipnotizados. Defendiam uma causa que não era sua. Ofendiam inimigos que não eram seus e apoiavam e aplaudiam o seu próprio algoz. Nada importa, senão o trocado prometido para o final do espetáculo. Lembrei-me da música do Zé Ramalho - Vida de gado. "Ê, ê, ê vida de gado. Povo marcado ê, povo feliz".

terça-feira, 29 de setembro de 2015

VAMOS DAR UMA RAPIDINHA?

Um jogo de cartas marcadas


Na semana passada a oposição tinha os 10 votos necessários para afastar o prefeito. O Brás deu a louca e, sem nenhuma justificativa não incluiu o pedido na pauta. Estranho foi ver o Charles sozinho enfrentando o Brás e os demais calados. Os demais só se manifestaram depois, na tribuna ou nas explicações finais e, não vimos uma ação concreta para fazer valer o regimento da câmara e a autoridade e soberania do plenário.

Mais estranho ainda foi o silêncio na quarta-feira seguinte. Pelo menos dois vereadores ameaçaram processar e tirar a presidência do Brás. Não sei o que o Brás mostrou à eles, mas mudaram de ideia rapidinho. Não quero fazer julgamento precipitado. Talvez seja uma grande estratégia para dar o golpe de misericórdia.

Brás tá podendo


Depois de rasgar o Regimento e a Constituição, depois de tratar os vereadores como meninos inocentes de rua, o presidente da câmara com muita segurança fez pose de "não tô nem aí". Certamente deve ter um trunfo muito forte.

Dizem que as negociações entre Brás e os Barbalhos andam avançadas. Não será surpresa se de repente ele der uma rasteira no chefe Valmir.

Partidos desmoralizados


O PMDB bufou, arrufou, ameaçou, esperneou para nada. Os caciques falaram que o Parceirinho seria oposição ou perderia o mandato. O vereador foi até convocado à capital para prestar contas das lambanças. Não adiantou. O moço rapidinho virou parceirinho do Valmir e deixou os partidários falando ao vento. Ganhou uma secretaria para chamar de sua (é minha, aqui ninguém mexe, eu comprei, paguei, eu mando) e está feliz da vida. Que se dane o partido! O PMDB ainda está na esperança que o moço vá devolver seu presente e componha com a oposição.

E o PT está em crise de identidade. Um dia desse divulgou um documento na câmara afirmando que era oposição ao Valmir e que a bancada votaria a favor da CPI da saúde. Lembram? Pois é. Euzébio e Miquinha deram uma banana para essa recomendação e continuaram abraçadinhos com o velho. 

Na quinta-feira passada o Diretório aprovou uma resolução com o mesmo teor, onde ressalta que a bancada tem que votar unida e fazer oposição ao Valmir. De novo? Os dois vereadores rebeldes mais uma vez vão ignorar solenemente tal resolução e vai ficar tudo como está. A jogada é a seguinte: "só voto unido a bancada quando meu voto não fizer diferença". Entendeu?

Hoje o Valmir vai sair...  para dar uma voltinha


Mais uma vez a oposição vai apresentar o pedido de afastamento do prefeito Valmir. Sabe o que vai acontecer? NADA. Se o Brás ver que não terá votos suficientes, ele deixará entrar na pauta. Mas, provavelmente não terá. Uma semana foi mais do que suficiente para rearticular a base e adoçar a boca dos rebeldes.

O Miquinha vinha sentindo uma coceira no ombro há uns dois anos. Essa semana foi ideal para o vereador fazer uma "grande" cirurgia, que deixou-o impossibilitado de participar da sessão e votar no afastamento do Valmir como determinou o PT. E quando eu falo grande, foi graaaaaaaande mesmo! Dizem que ele não consegue mexer nem com os olhos. Foi tão grande que pegou três pontos. Desejo uma boa recuperação ao nosso bravo vereador e que volte logo.

Espionagem e traição


Tem um áudio rolando na cidade que está deixando muita gente de cabelos e barriga em pé. O "trem" é comprometedor e derrubaria muita gente. Dizem que a gravação já estaria nas mãos do promotor Hélio Rubens e é nitro glicerina pura. Que meda.

Todos na câmara logo mais. Se nada acontecer de novo, pelo menos o café e o riso são gratuitos. 

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

A ACIP OFERECE TREINAMENTO

A ACIP, Associação Comercial Industrial e Serviços de Parauapebas, promove treinamento com o renomado palestrante Sr. Marcus Vinicius Pereira Martins. O treinamento será totalmente subsidiado pela ACIP, sem custos algum para os associados. Serão apenas 02 turmas com 50 vagas cada. Primeira turma dia 01 e a segunda turma no dia 02 de outubro, ambas no horário de 16:00 as 20:00 horas,. Faça logo a sua inscrição junto a ACIP. Não perca esta oportunidade!!

O treinamento “Tomada de Decisão com foco na efetividade” tem como objetivo:

  • Promover maior agilidade, assertividade e efetividade nas decisões, através do alinhamento de conceitos e critérios, da valorização e estruturação dos processos decisórios;
  • Ressaltar a importância e os impactos das decisões nos diversos níveis de liderança da organização e na vida das pessoas;
  • Ampliar o nível de consciência dos gestores, quanto à influência dos valores, conhecimentos, emoções, percepções e normas, nos processos decisórios.

Contatos pelo telefone : 3356-1871 e Celulares 9-8809-6412 e 9-9239-2558, o e-mail é gerencia@acipparauapebas.com.br.



ATOLADOS NO PÂNTANO

Sabe o que vai acontecer com o vereador Brás por ter rasgado o Regimento Interno e a Constituição Federal na sessão de terça-feira passada (22)? Nada. Isso mesmo! Apesar dos protestos e ameaças dos vereadores da oposição em destituir a Mesa Diretora, tudo ficará como d'antes no quartel de Abrantes. O trunfo que o vereador Brás tem contra os demais vereadores é muito forte, pois bastaria que um vereador entrasse com uma ação contra ele para perder a presidência, e, quem sabe, até o mandato.

O fato é que no dia seguinte todos se esqueceram da promessa de afastar o presidente. "Interesses superiores" falaram mais alto. O Brás como não é besta, tripudiou dos colegas, fez caras e bocas de "não tô nem aí" e foi para Belém negociar com os Barbalhos a sua entrada para o PMDB. Dizem que o homem anda puto com o velho prefeito e ameaça aprontar para cima dele. Será?

Brás prefeito?


Fiz essa brincadeira aqui no blog na postagem do dia 31 de dezembro de 2014 com o título "AS PREVISÕES DO CAPITÃO. Parece loucura, mas tudo pode acontecer. Tem uma galera que já está ameaçando o Massud e a Ângela com uma suposta gravação com flagrantes arrepiantes. 

A jogada é a seguinte: o Brás acata o pedido de afastamento do prefeito e logo em seguida provoca a queda da Ângela. Automaticamente ele (Brás) vira o prefeito provisório e convoca eleições indiretas entre os vereadores para escolher o novo prefeito. Assim determina a lei magna.

Na sessão de amanhã (29) tudo pode acontecer. Vale a pena dar um furo no trabalho para conferir.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

A INSENSATEZ HUMANA E A DEGENERAÇÃO DA SOCIEDADE

"O juri considera o réu culpado (...) Condeno o senhor Luis Carlos a 14 anos de reclusão em regime fechado", sentenciou o juiz encerrando o julgamento que durou todo o dia de 24 de setembro de 2015. Na platéia uma mãe  amamentava um bebê e sua face incrédula denunciava que era esposa do réu. Ao seu lado uma menininha de bochechas rosadas conversava inocentemente com sua boneca. Um paletó preto enorme que contrastava com aquela figurinha, entregue pelo advogado de defesa cobria-lhe o corpo protegendo-a do frio do gelado salão do tribunal do juri. Fiquei por alguns minutos olhando aquela cena contraditória: uma mãe/esposa angustiada, um bebê e uma criança inocentes que nem se davam conta da gravidade da situação. Qual será o futuro daquele bebezinho de colo? Onde estará aquela menina de bochechas rosadas daqui a vinte anos? Como essa mãe angustiada suportará esse tempo sem o esposo e sem um filho que está foragido? E se tudo fosse diferente?

Ontem, (24) testemunhei essa cena deprimente. Por um lado fiquei aliviado ao ver a justiça sendo feita no caso do assassinato do agente Geraldo que aconteceu no dia 31 de agosto de 2013. Por outro lado fiquei angustiado por presenciar ali a destruição de toda uma família por um erro banal. Um erro banal, mas que a maioria dos pais cometem por entenderem que estão protegendo e amando seus filhos. Como educador que já atua há 29 anos, presencio o início dessa tragédia nas escolas quase todos os dias e, sinto-me na obrigação de tentar parar isso. 

Entendendo o início da tragédia


Um jovem cheio de vida sai com sua motocicleta com duas moças na garupa, todos sem capacete. Ao ser abordado por um agente de trânsito, mesmo estando sem documento do veículo, sem habilitação, se acha no direito de enfrentar o agente e até de entrar em briga corporal para não entregar a moto. Não conseguindo seu intento, liga para o pai, que imediatamente se dirige ao local para defender o filho. O que você acha que o pai fez?

1- Levou o filho para casa e deu-lhe uma bronca. Onde já se viu cometer infrações de trânsito e ainda discutir com o agente? Ainda falou que ele teria que trabalhar, juntar o dinheiro para retirar a moto do pátio do DMTT;

2- Chegou ao local e deu total apoio a atitude do filho. Juntos, perseguiram o caminhão guincho onde a moto estava sendo levada. Fechou-o com sua caminhonete e tentou retirar a moto a força de cima do caminhão agredindo o agente.

Infelizmente aconteceu a alternativa 2. Não conseguindo retirar a moto, o jovem agrediu o agente e não satisfeito foi até a caminhonete do pai, pegou uma faca e perseguiu o agente até alcançá-lo, desferindo-lhe duas facadas letais. O jovem encontra-se foragido até o presente momento e o pai foi acusado de contribuir com o crime dando apoio material e moral para que o mesmo ocorresse. Foi julgado e condenado a 14 anos de prisão. Resultado: duas famílias destruídas. A do agente Geraldo que morreu e a família do Luis Carlos que ficará na prisão. 

Infelizmente, nem todos que cometem erros na criação dos seus filhos sentam no banco dos réus, mas percebemos que muitos pais estão cometendo esse tipo de erro todos os dias. Alguns tem menos sorte como foi o caso do Luis Carlos ou de outros pais que enterram seus filhos jovens. Mas a maioria absoluta fica impune e contribui para uma sociedade desajustada, violenta, sem ética e princípios. 

Inevitavelmente lembrei de uma mãe que me procurou na escola pública para saber do rendimento escolar do seu filho. Inicialmente fiquei empolgado com a atitude da mãe, coisa rara nesses tempos. Eis que minha empolgação virou decepção e perplexidade quando a mãe falou: "se ele não estiver com notas boas o pai dele vai tomar a moto". "Ahm! Quantos anos ele tem?" Perguntei. "Quinze anos", respondeu a mãe toda orgulhosa. "E ele já anda de moto? A senhora não sabe que isso é errado, fora da lei?" A mãe argumentou que o filho é responsável, que tem muito juízo, tem corpo de homem, etc. Não adiantou eu argumentar e até apelar para princípios religiosos já que se tratava de uma evangélica. Ela foi taxativa: "meu filho vai continuar vindo para a escola de moto e o senhor pode chamar o DMTT que eu resolvo". 

Como formar filhos desajustados para a sociedade


1- Ensine a seu filho que você é uma pessoa influente, conhecido na cidade e, por isso ele pode fazer o que quiser que o "papai" resolve.

2- Ensine seu filho que ele não deve mexer com ninguém, mas se alguém provocar, reaja. Só não vale chegar apanhado em casa, senão apanha de novo.

3- Deixe que seu filho menor dirija seu carro, sua moto. Isso é coisa de macho. Se um policial abordá-lo, basta ele te ligar que você vai lá resolver. Argumente com o policial que você é pioneiro na cidade, bastante conhecido, ofereça propina... Se o policial insistir em querer multar seu veículo e dizer que seu filho está desrespeitando a lei, jogue essa verdade na cara dele: "tanto bandido solto, tanto ladrão roubando, tanto político corrupto e ao invés de vocês prenderem esses marginais vão querer perseguir meu filho?"

4- Nunca vá na escola do seu filho, nem mesmo nas reuniões de pais. Afinal, um homem ou uma moça de 14, 15, 16 anos não precisa mais de pais dando uma de babá na escola. E se a direção lhe convocar por algum problema, vá lá e enquadre o diretor ou o coordenador. Diga que seu filho é um exemplo, que jamais faria aquilo que foi acusado e, se fez, é porque teve motivo. Fale mal da escola, dos professores incompetentes, do governo, da greve, mas defenda a qualquer custo seu filho, e, de preferência na frente dele.

5- Quando presenciar seu filho fazendo algo errado, diga que isso é coisa de adolescente. Normal!

6- Se um dos conjugues corrigir o filho, tome a defesa. Diga que a mãe/pai está exagerando.

7- Não exija que seu filho faça qualquer trabalho ou passe nenhuma dificuldade ou privação, mesmo que isso lhe custe sacrifício. Dê tudo que ele quiser, afinal, no seu tempo você não tinha nada e, por isso quer que seu filho tenha tudo. Ofereça-lhe a vida que você não teve.

8- Uma mentirinha na frente do seu filho não faz mal. Afinal quem é que não mente? Se alguém lhe telefonar, peça que ele atenda o telefone e diga que você não está. 

9- Peça ao seu filho que busque cerveja para você, que acenda o seu cigarro, que esconda uma situação do irmão ou da mãe. Qual o problema, se todo mundo faz isso?

10 - Se seu filho for preso cuide de arrumar um bom advogado para tirá-lo da cadeia, não importa o motivo. Afinal, pai é pai e tem que defender seu filho não importa o erro dele. Dê sempre razão a ele e diga que está sendo perseguido por pessoas invejosas.

Faça apenas um desses quesitos da lista e, quem sabe, um dia você estará no lugar do seu Luis Carlos no banco do réu!



GOLPE DOS VEREADORES PASSA DESPERCEBIDO

Na sessão do dia 15 de setembro os vereadores de Parauapebas num flagrante desrespeito a Constituição Federal, a Constituição do Estado do Pará e ferindo todos os princípios da democracia legislaram em causa própria. Devido as prisões de alguns vereadores e a expectativa de prisão dos demais, mudaram o Regimento Interno apenas para favorecer os atuais edis e evitar a perda de mandato em caso de possíveis novas prisões. O ato é tão escandaloso que é impossível que a OAB não represente contra a Câmara para anular esse ato.

Veja aqui o absurdo que aprovaram:


"Nessa casa não tem nenhum santo nem no sobrenome"


O vereador afastado Josineto Feitosa disse uma frase que se tornou viral nas redes sociais. Disse que se ele caísse, todos cairiam, pois tudo o que fez foi de comum acordo com todos. E concluiu: "nessa casa não tem nenhum santo... nem no sobrenome". Na época, todos ouviram de cabeça baixa e constrangidos. Josineto foi preso, perdeu o mandato, porém, ainda tem os vereadores em suas mãos e, quando resolver chutar o pau da barraca não ficará pedra sobre pedra.

Suspeita-se que essa alteração aprovada para o Regimento Interno teria sido uma ordem dele (Josineto) que continua lutando para recuperar o mandato. Assim, qualquer vereador que for preso ou afastado por qualquer motivo,  ficará automaticamente licenciado e suas faltas não serão computadas para efeito de perda de mandato.

Apenas os três novatos (Joelma Leite, Barrão e Teka) e, - pasmem!- , o Zacarias votaram contra essa aberração. Os demais, sem nenhum constrangimento votaram a favor, contribuindo assim para tornar essa legislatura a mais bizarra de todos os tempos.

É por isso que os leitores do livro "O escorpião e a borboleta" já estão identificando a câmara com o Pântano Azul. Até agora, nem um partido, nem a OAB ou qualquer outra instituição tomou qualquer providência contra esse atentado a legalidade e a moralidade.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

CONDENADO O PAI DO ASSASSINO DO AGENTE GERALDO

Acabou nesse momento o julgamento do Sr, Luis Carlos da Conceição, pai do jovem que assassinou o agente de trânsito Geraldo do DMTT, em agosto de 2013. Ele foi condenado a 14 anos de prisão em regime fechado por ter contribuído com a morte brutal do agente.

Relembrando o caso


No dia 31 de agosto de 2013 os agentes do DMTT estavam trabalhando em frente à FAP na noite de abertura da festa. Faziam o ordenamento do trânsito quando um jovem conduzindo uma motocicleta sem capacete e com duas moças na garupa passou pelos agentes. O agente Geraldo fez a abordagem de praxe e constatou que o condutor estava sem a habilitação e a documentação da moto. Ao anunciar que a moto estava apreendida, o condutor recusou a descer do veículo e desacatou o agente. 

Após uma enérgica discussão, o infrator desceu da moto e ligou para o pai. Percebendo o perigo e sem apoio policial, os colegas de trabalho recomendaram que o agente Geraldo fosse junto com o guincho para o DMTT. Momento seguido, o pai do infrator compareceu  numa caminhonete preta e junto com o filho perseguiu o caminhão guincho que já estava conduzindo a moto apreendida. O caminhão com a moto foi fechado e os dois - pai e filho - arrancaram o Geraldo de dentro do caminhão e tentaram tirar a moto da carroceria. O agente ao tentar evitar foi agredido pelo jovem que correu na caminhonete do pai e pegou uma faca no porta-luvas. O agente Geraldo ainda correu e foi perseguido pelo jovem algoz, alcançando há uns 150 metros quando este tropeçou e caiu, momento em que desferiu-lhe duas facadas mortais.

O caso causou muita comoção e indignação principalmente entre os agentes de trânsito. O assassino encontra-se foragido até a presente data, mas seu pai foi acusado de ter contribuído com a conduta criminosa do filho e ficou preso por nove meses, tendo sido solto por um habeas corpus.

O julgamento


A defesa alegou que o pai do criminoso não contribuiu e nem participou da morte do Geraldo. Portanto, não poderia pagar por um crime que foi cometido pelo filho. 

A Promotoria Pública representada pelo promotor dr. Paulo sustentou a tese de que o pai contribuiu para o assassinato do agente Geraldo. "Caso ele não fosse ao local dar apoio material e moral ao filho, o fatídico não teria acontecido. Como pai, ele deveria ter retirado o filho da situação, e não perseguir e tentar tirar a força uma moto apreendida do poder de agente público", frisou o promotor.

Após um longo embate entre os advogados de defesa e a promotoria, o juri composto por sete membros da comunidade julgou o réu culpado. A pena estipulada pelo dr. Líbio foi de 14 anos em regime fechado. A defesa recorreu, mas o Luis Carlos já saiu do Fórum preso e levado à carceragem local.

Luis Carlos da Conceição tinha um frigorífico de frango em Parauapebas. Atualmente vendia frango na feira de Marabá. Agora pagará pelo seu crime enquanto seu filho continua foragido. 

Os agentes do DMTT receberam o veredicto com alívio e sentimento de missão cumprida. "Agora só falta o assassino ser localizado, julgado e condenado para que a justiça fique completa", comentou um agente.

Participei de todo o julgamento e, como Orientador Educacional de escola pública lembrei-me de vários casos de pais que vão à escola tentar encobrir falhas dos seus filhos e até se desentendem com os educadores que tentam corrigi-los. Como blogueiro e escritor não posso deixar de explorar esse tema. Amanhã abordarei essa questão aqui no blog e espero contribuir com pais que sofrem com a angústia de verem seus filhos se perderem e muitas vezes, na tentativa de ajudá-los, acabam contribuindo para situações desastrosas.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

A ACIP CONVIDA



Senhores associados,

Recentemente em nossa cidade assumiram os novos diretores do SESI e do SENAI. Duas entidades do chamado “Sistema S” de suma importância para o setor industrial.

Buscando uma aproximação destas duas entidades com o setor industrial da região realizaremos, em parceria com a FIEPA – Federação das Indústrias do Estado do Pará,  uma evento para reunir as duas entidades e os empresários de Parauapebas que atuam no setor.

A reunião será uma oportunidade para que as duas entidades tomem conhecimento e compreendam as necessidades de mão de obra qualificada e bem estar do trabalhador das empresas locais. Os empresários, por sua vez, terão a oportunidade de conhecer os novos diretores, os serviços e as soluções oferecidas, bem como realizar perguntas aos dois diretores.

O evento ocorrerá na sede da ACIP, dia 24 de setembro de 2015 (quinta-feira) as 19:30h. Contamos com sua presença.


Descrição: C:\Documents and Settings\RH Geoterra\Configurações locais\Temporary Internet Files\Content.Word\HUMBERTO.JPG
         HUMBERTO DE ARAUJO COSTA
                  Presidente

SESSÃO DE 22 DE SETEMBRO: UMA RINHA MUITO LOUCA

Sabe aquela briga de galo com resultado improvável? Quem acreditaria que um galinho garnisé venceria um time inteiro de galos gigantes brigadores? Foi mais ou menos isso que aconteceu na sessão de ontem (22).

Antes da sessão começar foi cedido espaço para um grupo de jovens fazer uma manifestação de repúdio a violência contra os jovens, especialmente contra o assassinato brutal da jovem Lorena que teve sua vida ceifada dentro de sua própria cassa. Foi o único momento bonito e sereno da casa de leis (ou seria casa da Mãe Joana?).

O relógio já marcava 17 horas quando o presidente Ivonaldo Brás pediu cinco minutos para uma reunião com os vereadores na sala do queijo. Sob protestos da platéia que aguardava impaciente, todos obedeceram ao presidente. 

Por volta de 17:20h. os membros do Conselho do Pântano Azul* tomaram seus lugares para enfim, dar início a mais inusitada e improvável guerra. Após a execução dos hinos e da leitura do versículo bíblico (ritual para tentar afastar os demônios), uma movimentação estranha foi notada pelo público. Um grande numero de policiais fortemente armados adentraram à casa e fizeram um cordão de isolamento em frente ao vidro que protege a população de possíveis ataques dos vereadores. O Brás revirava os olhos e girava em sua cadeira com claros tiques nervoso. Algo podre no ar. Uma guerra estava sendo esperada ali e pelo numero de policiais, haveria tentativa de linchamento dos vereadores. 

Enfim, veio a bomba. Mais um pedido de afastamento do prefeito Valmir havia sido protocolado na Câmara e já contava com 11 votos certos para a aprovação. Pelo regimento da Câmara, o pedido seria apresentado na mesma sessão, lido e submetido à votação no plenário. Esse seria o caminho legal e normal. Seria se...

Deu a louca no presidente


Inacreditável! O presidente Ivonaldo Brás atendendo a uma ordem do Palácio Cinzento preferiu arriscar tudo e rasgar o regimento e jogar na cara dos vereadores e da população. Incorporou o espírito do Hitler, sapateou, rodou a baiana e cometeu todos os crimes que um ser político poderia cometer. Sem nenhuma fundamentação técnica ou jurídica disse que o pedido de afastamento do prefeito só entraria na pauta na próxima sessão do dia 29.

O Brás, com muita segurança, como quem tem uma carta importante na manga contra os vereadores, cometeu os crimes de prevaricação, improbidade, abuso de poder, desrespeito ao Regimento Interno, e outros crimes a mais. Agiu feito mulher valente em casa de bêbado.

A estranha reação dos vereadores


O Brás baixar o santo de ditador é normal. O que não é normal é um grupo de experientes vereadores aceitarem e só espernear após o fato consumado. O normal seria os edis enquadrar o baixinho e impedir a sessão. 

Pasmem, mas somente o vereador Charles foi pra cima do Brás num embate solitário em que os demais vereadores apenas assistiam atônitos e assustados. Por mais que o Charles argumentava, pedia a intervenção da procuradoria, mostrava a ilegalidade do presidente, não houve jeito. O Brás apenas fazia cara de desdém, jogava a aba do paletó de lado e ordenava: "Bruno, leia os requerimentos e vamos continuar a sessão". O Bruno começava a ler e tome vaias da platéia, tome gritos de "vendido, traidor". O Bruno recua e o presidente ordena: "leia Barrão". A cena se repete. Por fim, a tarefa sobrou para o ajudante de ordens Zacarias que leu os requerimentos sobre intensa vaia.

O Charles continuava insistindo apelando pela legalidade e o presidente não se tocava. No espírito de "essa câmara é minha, eu mando, calem a boca e obedeçam, não tô nem aí", continuou desdenhando de todos e zombando do Regimento.

Tai a explicação do grande numero de policiais. Em qualquer cidade que acontecesse uma cena dessa, a população quebraria aquele vidro e lincharia uns três vereadores. Ninguém brinca e zomba com a cara do povo e sai impune dessa maneira. Para sorte do Brás e dos que apoiam a sujeira do governo, nosso povo é pacato e pacífico.

Somente após o fato consumado alguns vereadores usaram a tribuna para protestar. O protesto mais enérgico foi o do Massud que disse que entraria com o pedido de prestação de contas do presidente, insinuando que tem muito lixo sob o tapete. O Pavão fez o protesto mais criativo. Disse que como seu voto não valia nada, sua palavra também não valeria. Assim, pediu que contasse os seus cinco minutos em absoluto silêncio em homenagem ao povo que estava sendo desrespeitado.

Vereadora Joelma mostra coerência


Nas explicações finais a vereadora Joelma disse que nunca imaginou que uma casa de leis pudesse ter uma atitude tão desprezível como aquela. "É contraditório uma Câmara de Vereadores que deveria zelar pelas leis, ser a própria a desrespeitá-las. O plenário deveria ser soberano em qualquer situação e não a vontade e os caprichos de um único vereador. Isso é ditadura e eu abomino", asseverou a vereadora com indignação.

O que esperar dos vereadores?


Em situação normal, os vereadores não deixariam começar a sessão. Uma atitude inteligente seria sair do plenário e se juntar ao povo e inviabilizar a sessão. Assim, dariam início a um levante popular ordeiro e enquadrariam o Brás, impedindo assim uma ditadura ridícula de um líder que se comporta como um menino mimado que apanha em casa e desconta nos "coleguinhas" mais fracos na rua.

Ao deixarem o Charles brigando sozinho para tentar impedir o descalabro absurdo, ficou a impressão que realmente o Brás tem um trunfo muito forte contra os vereadores. 

Vale ressaltar que os únicos governistas que saíram em apoio ao Brás foi o Bruno e Zacarias.

*O pântano azul - crônica do livro O escorpião e a borboleta que mostra o cotidiano e os bastidores da política de Parauapebas. Disponível na livraria Nobel do shopping ou no site da Livraria Cultura e Livraria Asabeça. 
www.livrariacultura.com.br
www.livrariaasabeca.com.br


segunda-feira, 21 de setembro de 2015

MAIS UM ESCÂNDALO NA CÂMARA DOS VEREADORES

Realmente, ao que parece nossos vereadores não se intimidaram nem um pouco com as últimas ações do GAECO, pois continuam fazendo lambança. Na última sessão do dia 15 aprovaram uma emenda ao Regimento Interno que seria motivo de vergonha para qualquer legislador. 

Veja amanhã o teor da alteração e tire suas conclusões. A coisa é tão escandalosa que os que votaram a favor só podiam estar com a faca no pescoço. 

HOJE A JUVENTUDE CHOROU!


        Hoje fui ao velório de LORENA LIMA, não tinha convívio pessoal com ela, mas a conhecia, por participar e acompanhar de perto a luta dos jovens por mais cidadania, respeito as liberdades de ação e expressão, direito a defender suas ideologias e entre tantos outros o direito sagrado a VIDA.

        Uma jovem de apenas 24 anos de idade que sempre trilhou o caminho da paz e do respeito ao próximo, trabalhadora e MÃE, nos deixou.

         Sua morte trágica não reflete o brilho de sua vida. Sua ausência será sentida por muitas crianças, jovens, adultos e por todos que tem no coração a chama da paz e da esperança.

          A intolerância, a incapacidade de conviver em sociedade é, ao que parece a causa de tão cruel ato. Não falemos hoje das causas e sim lembremos de quem nos deixa, dos ensinamentos que deixou a muitas crianças como secretária na escola em que trabalhava, dos encorajamentos aos jovens que militavam com ela na fé, das famílias que viam em Lorena uma liderança responsável e comprometida em cada causa defendida.

           Quando a JUVENTUDE chora, chora também a LIBERDADE , chora também o FUTURO, chora também o BRASIL.
       
            Que sua aura guerreira continue a contaminar milhares de jovens, e leve-os a compreender seu papel de agente transformador de sua sociedade.
 
             Descanse em paz LORENA LIMA.......



                      … HOJE A JUVENTUDE CHOROU...

          
                                                                                           Antonino Brito

          

PREFEITO VALMIR SOME COM O DINHEIRO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

Parauapebas na escuridão


Muitos leitores procuraram o blog para reclamar do estado de escuridão que se encontra Parauapebas. Para todo lado que se olha a noite dá para perceber a escuridão nas vias públicas. Tem poste que se encontra com a lâmpada queimada há mais de seis meses, causando insegurança e deixando a bandidagem mais a vontade.

Alguns cidadãos desavisados vão a CELPA reclamar e são informados que o dinheiro que o cliente paga na conta de luz é repassado para a prefeitura e, é de responsabilidade dessa, manter esse serviço. Assim, o cidadão desiste com a seguinte indagação: "se o prefeito está deixando cortar até a energia das escolas e secretarias municipais, imagine a iluminação pública!"

CIP - Contribuição de Iluminação Pública


Para entender o caso, basta você dar uma olhadinha na sua conta de energia elétrica. Na coluna do lado direito encontrará a taxa que é cobrada de todo consumidor. A taxa é salgada e equivale a mais de dez por cento de sua conta. Seja pobre ou seja rico, todos pagam caro pela iluminação pública. Esse dinheiro é repassado pela CELPA à prefeitura que tem a obrigação de manter todas as luzes dos postes acesas. O fato é que o prefeito Valmir abandonou de vez a cidade e sequer está pagando as contas dos órgãos públicos. Até o telefone que era disponível para reclamação do cidadão não funciona mais.

A SEMURB (Secretaria Municipal de Urbanismo) é a responsável


Toda vez que algum vereador toca nesse assunto na câmara dos vereadores, o vereador Zacarias - líder do governo Valmir - fala que o problema será resolvido em 15 dias. Agora que a SEMURB virou propriedade do vereador, que colocou seu inexperiente filho como secretário, quem sabe agora consiga resolver esse problema? O que não pode é o nosso povo continuar sendo roubado e vivendo na escuridão.

Conclamamos o PROCON, a OAB, a AMOMPA, o Ministério Público, as Igrejas, e demais órgãos que tem algum sentimento de zelo por Parauapebas para buscar uma providência. Não podemos continuar assistindo essa gente destruindo nosso município como se nada tivesse acontecendo. Nesse caso em especial, ainda é mais cruel, pois o dinheiro do cidadão pobre é que está sendo roubado. 

Quando é que Parauapebas será de fato uma cidade de direitos?


domingo, 20 de setembro de 2015

VII SEMANA DE LUTA PELOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA


O MOVIMENTO E O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE PARAUAPEBAS CONVIDA VOCÊ PARA A VII SEMANA DE LUTA PELOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA QUE É CELEBRADO DIA 21/09.


PROGRAMAÇÃO: 


PALESTRA: “TODOS PELA INCLUSÃO”

DATA: 21/09/2015 ÁS 14:00HS

LOCAL: CÂMARA MUNICIPAL DE PARAUAPEBAS – PLENÁRIO



CAMINHADA DE LUTA PELOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCA DE PARAUAPEBAS

DATA: 25/09/2015 ÁS 16:00HS

LOCAL: CONCENTRAÇÃO EM FRENTE O MERCADO MUNICIPAL (RIO VERDE) TERMINANDO NA PRAÇA DO CIDADÃO.

TODOS VESTIDOS DE BLUSA PRETA

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

A CORRUPÇÃO, O CONGRESSO, O TSE E O PAPAGAIO

Virou moda atualmente todo mundo protestar e demonstrar indignação contra a corrupção. A maioria dos protestos e indignações são seletivas, ou seja, serve apenas como máscara para cobrir a hipocrisia de pequenos e grandes corruptos. Serve principalmente como válvula de escape para as "viúvas choronas do Aécio" que espumam pela boca e destilam ódio de revolta por terem perdido a eleição para o mesmo partido por quatro vezes seguidas. Não estou dizendo que sou contra protestos. Muito pelo contrário, defendo e acho que o governo da presidenta Dilma tem motivos de sobra para protestarmos. 

É fato que o Brasil está atolado em corrupção. Também é fato que os escândalos hoje demonstrados na mídia só vieram a tona devido a políticas do governo federal que visam a transparência e o combate a corrupção. Antes, até a era do FHC a sujeira era varrida para debaixo do tapete e o Procurador da República era chamado de engavetador. Atualmente, a Dilma reconduziu ao segundo mandato o Procurador Rodrigo Janot, mesmo tendo ele colocado na cadeia políticos ligados ao PT. A presidenta poderia apenas agradecê-lo e indicar outro nome.

Precisamos combater a corrupção de maneira aberta e verdadeira. Esse negócio de corruptos fazerem discursos contra a corrupção não passa de cortina de fumaça e hipocrisia. Combater a corrupção não é ficar repetindo discurso da mídia corrupta como papagaios e fechando os olhos para as verdadeiras fontes de corrupção.

Está explícito que uma das maiores fontes de corrupção é o financiamento privado de campanha. Isso é que motivou empresários e políticos de quase todos os partidos a sangrarem a Petrobras. Alguém é tão inocente a ponto de achar que um empresário vai financiar um candidato ou um partido apenas pensando no bem da pátria? Quem financia quer retorno na proporção de cinco a dez vezes mais. Financiar campanha hoje no Brasil virou um lucrativo negócio para empresários inescrupulosos e uma forma de manter corruptos no poder.

Onde estão os indignados?


Recentemente a Câmara dos deputados não só aprovou o financiamento privado de campanha como piorou ainda mais. Pelas regras aprovadas pelos "inocentes" deputados, o financiamento passa a ser para partidos e não para candidatos. Com isso, mascara ainda mais e privilegia os corruptos. O eleito não terá que informar quem financiou sua campanha. Entendeu? E isso não é culpa da Dilma. Foi aprovado pelo seu deputado que tanto fala de corrupção sem nenhum pudor. E o mais intrigante é que não vi nem um ato de protesto, nem uma frase de indignação dos iluminados bastiões defensores da ética e da moralidade. Não vi nem um protesto dos coxinhas internautas, dos "revoltados ON LINE" e nem do "partido anti-PT". Será o que aconteceu com essa turma que não colocou um milhão de pessoas nas ruas gritando fora corruptos?

O TSE e o golpe na corrupção


Foi preciso o TSE interferir na decisão do Congresso e, a pedido da OAB julgou ontem (17) inconstitucional o financiamento privado de campanha. Agora eu quero ver as manifestações de apoio aos juízes que votaram a favor da proposta da OAB. E não vale aquela manifestação tímida. Tem que ser a mesma que fizeram a favor do Joaquim Barbosa quando coordenou o processo do mensalão da Câmara.

A decisão do TSE tira das mãos da Dilma uma batata quente, pois após a aprovação pelo congresso, caberia a presidenta sancionar ou vetar, e os deputados já estavam chantageando-a para que sancionasse. Aí todos iriam gritar a plenos pulmões: FORA DILMA!

Não vou nem falar da CPMF que os governadores querem praticamente dobrar o valor para arrecadar mais grana. Alguém vai se indignar contra os governadores, principalmente os tucanos?

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

COLUNA DO LEITOR - Dilma e a corrupção na Petrobras.


O título é bem sugestivo, e por assim o sê-lo sugiro também a leitura do texto a seguir, com muita atenção, para entender de onde vem a nossa história e/ou quando e onde tudo começou - “se for possível...” (Zelão).
(Artigo extraído do Yahoo)



*Por Jorge Furtado – de Porto Alegre – em15.09.15.


Se for possível, esqueça por alguns minutos todos os adjetivos e piadinhas, toda indignação seletiva dos que governaram o país por décadas e o transformaram na sociedade mais desigual do planeta, todas as manchetes escandalosas, esqueça as frases de efeito dos jornalistas que garantem seus empregos pensando exatamente como o patrão manda, os comentários dos seus amigos e colegas ressentidos pela ascensão social dos mais pobres.
Esqueça por alguns segundos o nosso racismo, nossa centenária indiferença com os miseráveis, nossa cordial tolerância com as injustiças sociais, nossa cômoda aceitação da existência de uma multidão de pobres dispostos a fazer o trabalho pesado por salários irrisórios, deixe de lado nossa ancestral complacência com a corrupção – que começa com a carta de Pero Vaz de Caminha pedindo ao rei um emprego para um parente e vem até ontem, quando você aceitou pagar menos por um serviço sem recibo ou ofereceu um troco (ou um milhão) para o fiscal não lhe multar –, esqueça tudo isso por um breve instante e pense nos fatos.
O golpe civil-militar de 1964, que jogou o Brasil numa ditadura cruel que durou 25 anos e foi planejado e executado (hoje todos sabem) pelo governo norte-americano e segundo interesses das grande empresas norte-americanas, foi apoiado por pessoas de bem como você, que acreditavam no que diziam os jornais da época (os mesmos de agora), e queriam combater a corrupção na Petrobras e impedir as práticas comunistas do governo eleito.
Em 1989, ano que marca a volta da democracia com eleições diretas para presidente, o jornalista Ricardo Boechat foi premiado por denunciar a corrupção na Petrobras.
Em 1995 o jornalista Paulo Francis denunciou a corrupção na Petrobras e, por isso, foi processado.
Em 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso acabou com o monopólio da Petrobras na exploração do petróleo brasileiro e criou o sistema de concessão, que favoreceu as grandes petroleiras norte-americanas. FHC também editou a Lei n° 9.478, que autorizou a Petrobras a se submeter ao regime de licitação simplificado, na prática permitindo que a empresa contratasse fornecedores sem fazer concorrências públicas. Para o jurista Celso Antônio Bandeira de Mello, esse foi o momento em que “o governo Fernando Henrique colocou o galinheiro ao cuidado da raposa”.
Segundo o depoimento dos delatores premiados da Lava Jato (Pedro Barusco e outros) e segundo a denúncia do Ministério Público, foi em 1997 que esta quadrilha (Paulo Roberto Costa, Youssef e turma) começou a roubar a Petrobras.
Durante o segundo mandato de FHC, o ministro da Justiça – e, portanto, chefe da Polícia Federal – era Renan Calheiros (PMDB).
Em 2009, com a descoberta das gigantescas reservas do pré-sal, o governo Lula anunciou mudanças na lei de exploração do petróleo, favorecendo a Petrobras. As petroleiras norte-americanas, Chevron, Shell, Exxon e a inglesa BP, ficaram de fora. Em telegramas revelados pelo Wikileaks e publicados pela Folha de S. Paulo, o candidato tucano José Serra garantiu aos representantes da Chevron que, se eleito, voltaria ao sistema anterior. Desde então Serra e o PSDB vêm defendendo o modelo de concessão e os interesses norte-americanos no petróleo brasileiro.
A quadrilha de Youssef e Paulo Roberto Costa começou a roubar em 1997, roubou a Petrobras durante o segundo mandato de FHC, durante todo o governo Lula e nos primeiros anos do governo Dilma. Entre os beneficiados com o esquema milionário estão empresários e políticos de todos os partidos, especialmente do PP e do PMDB, mas também do PT, do PSDB, do PSB e outros.
Em 2013 Dilma sancionou a lei 12.846 que definiu como corruptores tanto as pessoas físicas como as pessoas jurídicas. Graças a esta lei, pelo menos oito empresas tiveram executivos presos: Camargo Corrêa, Odebrecht, OAS, UTC, Engevix, Iesa, Queiroz Galvão e Mendes Júnior. A lei sancionada por Dilma pode render a condenação criminal dos sócios e executivos e pune as empresas com multas que variam de 0,1% a 20% sobre o seu faturamento. Foi com este temor que os milionários presos fizeram suas delações premiadas.
Dilma indicou e reconduziu ao cargo o procurador-geral Rodrigo Janot, que investiga a corrupção na Petrobras e já indiciou muitas pessoas (bem diferente do que fazia o engavetador geral da República no governo FHC).
A Polícia Federal, durante o governo Dilma, levou a cabo a Operação Lava Jato, que prendeu e desbaratou a quadrilha de Youssef e Eduardo Costa, que roubava a Petrobras desde o governo de FHC, atravessou o governo Lula roubando e bateu no poste no governo Dilma. Entre os investigados, com fortes indícios de terem recebido dinheiro sujo, estão Renan Calheiros (ministro da Justiça e chefe da Polícia Federal de FHC) e Eduardo Cunha (PMDB), atual presidente da Câmara, com um longo histórico de envolvimento em falcatruas de toda espécie.
A corrupção na Petrobras é antiga, no Brasil é ancestral, e os ladrões de dinheiro público, de qualquer partido ou governo, devem ser severamente punidos e, isso é importante, devem devolver o dinheiro que roubaram aos cofres públicos, mas repassando esta lista de fatos, todos incontestáveis, você ainda acha que há algum sentido em pedir, com o pretexto de combater a corrupção na Petrobras, a saída de Dilma para entregar o governo a Renan Calheiros e a Eduardo Cunha?
Você não acha bem mais provável que, sob o pretexto de combater a corrupção, essa turma queira que a Dilma saia para atender interesses poderosos e voltar a roubar, como sempre fizeram?

*Jorge Furtado é Diretor e roteirista.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

SESSÃO DE 15 DE SETEMBRO - A "NOVA" VELHA CÂMARA

Ontem (15) mais uma vez assistimos e testemunhamos o quão absurdo é o nosso poder legislativo. Quem esperava que os 5 novos vereadores fossem dar um novo tom à casa, deu com os burros n'água. Seria a questão mais lógica e óbvia que os novatos chegassem fazendo a diferença e reforçando a oposição. Por que lógico e óbvio?

1- Os 5 chegam sem dever nada a ninguém, sem nem um compromisso a não ser com a população. Muito diferente quando assume logo após o calor de uma disputa eleitoral;

2- Os 5 já conhecem de có e salteado os escândalos em que a câmara se meteu. Já deveriam estar vacinados;

3- Os 5 conhecem todas as falcatruas e esquema de corrupção do prefeito. Conhecem também sua capacidade de enganar e não cumprir acordos. Só um louco iria querer algum compromisso ou se aliar ao Valmir;

4- Os 5 vereadores novatos poderiam usar o resto do mandato para ganhar a confiança do povo, e, assim, garantir uma eleição legítima.

Então o que explica vereadores novatos mal tomar posse e já se oferecer como uma mercadoria barata? Ambição cega? Falta de inteligência? Cegueira? Desonestidade? Estupidez? Vítima de chantagem?

É meus caros leitores. Aqui em Parauapebas acontece de tudo. Dos cinco vereadores que assumiram as vagas dos afastados pela justiça, só a Joelma e o Massud seguiram a lógica. Aliás, a oposição ganhou anos luz em qualidade. O Massud com sua experiência, sua eloquência e sua revolta legítima contra o Valmir chegou incendiando o cenário e deve dar muita dor de cabeça á turma do Palácio Cinzento. A Joelma com sua jovialidade, sua inteligência, seu faro para a política e sua competência metódica veio trazer a irreverência e a perspicácia que faltava à oposição.

Irmã Teca - de Marte para o poder legislativo


Depois de um nó político, com a suspensão do diploma de um suplente, ontem foi a vez da Irmã Teca tomar posse como vereadora. Teca obteve pouco mais de 500 votos, quantidade irrisória para transformar alguém em vereador aqui em Parauapebas. Mas não importa. A lei eleitoral funciona assim, e assim tem que ser.

Sua posse foi marcada por um discurso vazio, sem forma nem conteúdo onde usou e abusou do nome de Deus. Porém, num certo momento, deixou bem claro para a turma do Morro dos Ventos que estaria disponível para negociação. Preste atenção nos detalhes e verá que tenho razão. Falou que ainda não era oposição porquê estava chegando agora e ainda não conhecia a situação. Sabe de nada inocente! Como não conhecia? Onde estava a Irmã Teca quando a turma do Valmir foi presa? Onde estava a Irmã quando a Federal e o GAECO fizeram uma devassa na prefeitura e na casa do próprio prefeito? Onde estava a Teca que não conhece todos os esquemas de fraude e corrupção em todos os setores da prefeitura? Onde estava a Irmã Teca quando a Secretária da Mulher (que por coincidência era ela) foi escorraçada da secretaria sem direito nem de chorar? Estaria a neófita vereadora em Marte?

Essa foi só a primeira parte do recado da Irmã Teca. Logo em seguida, votou a favor do requerimento do Massud que convoca o prefeito e sua filha para dar explicações na câmara. Para um bom entendedor, meia palavra basta. Nesse caso, não foi meia palavra, e sim um recado explícito escrito em letras garrafais. OLHA, ESTOU AQUI PRONTA PARA QUALQUER SITUAÇÃO. SE VOCÊS ME DEREM O SAAEP, EU SOU BASE GOVERNISTA E COMPROMETO MINHA ALMA, APESAR DA CORRUPÇÃO ESCRACHADA. SE NÃO ME DEREM, SEREI OPOSIÇÃO.

Com esse comportamento nossos pobres vereadores se comportam como convidados para um banquete de lixo. Sabem que serão contaminados e envenenados, mas querem mesmo e comer até se estafar. Um exige o SAAEP, outro exige a Secretaria de Cultura e a Secretaria de Produção Rural, outro exige a Secretaria de Assistência Social para distribuir caixões, e outro exige a Secretaria de Urbanismo. E o povo é que se dane! Ano que vem tem eleições e terão dinheiro para comprar a consciência dos eleitores novamente.

Massud obra milagre


Massud fez um gesto muito bonito e representativo. Pediu perdão à Deus por usar um versículo bíblico no seu discurso. Disse que não gosta de misturar a Bíblia com política. O versículo foi bem significativo e adequado para o momento e foi um soco no estômago nos fariseus que ficam no parlamento usando o nome de Deus em vão para encobrir suas vergonhas. Falam de Deus e negociam com o diabo.

O vereador Massud mal tomou posse e conseguiu o que a oposição não conseguiu em quase três anos. Conseguiu aprovar um requerimento convocando o prefeito e sua filha para, no prazo de 10 dias comparecerem à câmara para prestar contas do orçamento municipal. É claro que não será tão fácil assim. O velho vai usar seus poderes de manobra para protelar e não comparecer, e nem deixar sua filha Flavinha comparecer. Essa será uma briga bonita de se assistir de camarote.

Votaram contra o requerimento: Zacarias, João do Feijão, Maridé (que papelão!), Parceirinho (que papelão!) e Barrão (que papelão!). O Brás como é presidente, não vota, exceto em caso de empate, mas tentou manobrar voltando a votação por três vezes para ver se revertia o resultado. Não deu certo e o requerimento foi aprovado.

Parabéns ao vereador Massud por essa brilhante vitória. Parabéns aos vereadores que votaram pelo sim. O homem apresentou dados e foi tão convincente que nem os dois defensores do Valmir (Euzébio e Miquinha) tiveram coragem de votar contra. Constrangidos mas votaram a favor. 

Ontem na sessão teve um grande golpe vergonhoso para a história de nosso município. Tratarei sobre isso num capítulo especial.


sábado, 12 de setembro de 2015

UNIÃO DO VEGETAL PROMOVE CHURRASCO BENEFICENTE



Uma excelente opção de lazer para toda a família nesse domingão. Além de desfrutar do delicioso churrasco, ainda estará fazendo uma boa ação.

Recomendadíssimo!


quinta-feira, 10 de setembro de 2015

PARTAGE SHOPPING PROMOVE NOITE DE AUTÓGRAFOS

Nessa sexta-feira (11), às 19h o Partage Shopping promoverá a noite de autógrafos com o blogueiro e escritor Luiz Vieira. Veja aqui:

DISCURSO DE POSSE DA VEREADORA JOELMA REPERCUTE NAS REDES SOCIAIS

Um discurso tecnicamente bem construído, proferido com emoção e inspirando confiança. Claro, objetivo e coerente com o momento. Assim foi o discurso de posse da vereadora Joelma Leite que disponibilizo aqui na íntegra. Confira:

Como mulher, como cidadã, como uma idealista, como militante, dedico esse mandato a todos aqueles que sonham com uma política que seja instrumento de transformação social.
 

Senhores e senhoras, nobres vereadores, nobre vereadora, autoridades presentes, imprensa, entidades sociais...boa tarde. Em nome de dona Joana Costa, quero cumprimentar especialmente as maiores autoridades presentes nesse casa que é o povo de Parauapebas. É por esse povo guerreiro, que luta, que corre atrás, que trabalha para sustentar esse município, que dá e tira o poder dos políticos, que mantém a esperança apesar de todas as adversidades, é que estamos aqui. Sem vocês nossa luta não teria sentido. Recebam aqui o meu abraço e meu respeito.

Sonhei muito com esse momento. E teve alguém que sonhou tanto quanto eu e que infelizmente não está aqui para vivê-lo - meu pai Ribamar, meu grande amigo, meu incentivador,  que sempre me ensinou que a gratidão deve sempre estar à frente de todas as nossas virtudes. Em sua memória, quero começar agradecendo. Agradeço a Deus por ter me conduzido até aqui nesse exato momento. Sei que nada acontece por acaso, então, se estou tomando posse somente agora, deve ter um significado especial. Faço aqui uma homenagem especial à memória de minha mãe que me ensinou a perseverar e escolher sempre o caminho da justiça. Dona Regina, que juntamente com o meu pai está ao lado de Deus. Obrigada pelos bons exemplos e pela retidão de caráter que imprimiu em minha consciência. Aos meus irmãos de sangue e de coração, obrigada pelo carinho em todos os momentos. E ao meu filho João Marcelo, obrigada por realizar meu sonho de ser mãe.

Agradeço a todos os amigos que trilharam comigo esse árduo caminho para chegar até aqui. Especialmente a minha equipe de trabalho, meus colaboradores, colegas e companheiros que sempre acreditaram que é possível fazer política com os mais nobres sentimentos de cidadania. Na pessoa do presidente do diretório municipal Sr. Tadeu agradeço ao Partido dos Trabalhadores e toda a sua militância aguerrida. De forma especial, agradeço aos 1.529 eleitores que em outubro de 2012 confiaram seu voto a minha pessoa, mas agradeço também aos que não votaram, mas que de forma democrática foram às urnas escolher os representantes do poder legislativo.

Hoje é um dia muito importante para mim. Não me alegro com a queda dos companheiros que tiveram seus mandatos interrompidos. Porém, aceito o desafio e entendo que tenho uma grande missão pela frente. Tenho consciência que meu mandato de vereadora pode durar uma semana, um mês, ou até dezembro de 2016, mas seja o tempo que for, quero dar o melhor de mim, quero dedicar todo o meu esforço para representar bem a confiança do povo que acreditou em mim e ser motivo de orgulho para todo cidadão de Parauapebas. Assim, peço a Deus que me dê sabedoria e humildade para exercer essa nobre tarefa.

Tenho consciência do momento difícil que o Brasil está atravessando. Sou conhecedora da falta de confiança do povo na classe política de uma maneira geral. Aqui em Parauapebas especialmente estamos atravessando uma crise jamais vista em toda sua história ao longo dos seus 27 anos. Infelizmente ocupamos os principais espaços da mídia nacional com notícias nada alvissareiras, com prisões de políticos, de gestores municipais e empresários, com denúncia de corrupção, com falência de nossas instituições. E é no meio dessa turbulência que assumo o mandato de vereadora. Assumo com a missão de desempenhar o meu trabalho buscando a harmonia, o diálogo, o respeito aos pares e, principalmente a população de Parauapebas. Tenho ideias e conceitos formados sobre a maneira correta de fazer política, porém, jamais me colocarei como dona da verdade e respeitarei o contraditório.

Assumo esse mandato com a missão de fazer o povo voltar a acreditar nos seus representantes. Como mandatária popular, quero estar sempre próxima a esse povo que depende das nossas ações para construir seus sonhos. E quem ousa a brincar ou tripudiar do sonho do povo está fadado ao fracasso, ao ostracismo e descrédito. Por isso, peço humildemente a todos os companheiros que sonhem junto comigo, que me ajudem a construir esse sonho. Como já dizia Raul Seixas, “sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha juntos é realidade”.

Assumo esse mandato com a responsabilidade de fazer valer o papel do vereador que é de fiscalizar as contas públicas, de propor projetos de leis de interesse da comunidade, de buscar soluções para os nossos problemas. Exercerei esse mandato com retidão, com paixão e com muita disposição para fazer valer a soberania popular e a vontade da maioria. Não ficarei lamentando e nem me acomodarei diante das barreiras impostas ao meu caminho. Conheço as minhas prerrogativas como vereadora, meus poderes e limitações. Assim, agirei sempre amparada pela constituição, pela lei orgânica e pelo regimento interno dessa casa. Como fiscal do povo, buscarei sempre o diálogo com todos, e não abrirei mão das atribuições do vereador e nem me intimidarei perante os problemas.

Os que se agarram ao poder pela corrupção, pela falsidade, silenciando os que discordam dele, estão do lado errado da história. E se me perguntarem de que lado estou, digo a vocês, com muita convicção: estou do lado do povo! Do lado de Parauapebas. Não posso fechar os olhos para a crise institucional instalada em nosso município. Diante da situação catastrófica em que nos encontramos, não me resta outra alternativa, senão atuar como oposição ao governo, pois entendo que esse governo não está do lado do povo! Não podemos fechar os olhos e nem aliarmos a essa calamidade que se transformou a administração municipal. As constantes denúncias de corrupção, a malversação do dinheiro público, as ações da polícia federal e do GAECO, a falência da saúde, da educação, a paralisia das obras públicas, a falta de serviços básicos, a ingerência nas administrações, o nepotismo, a incompetência e a irresponsabilidade com o erário público não me deixa outra alternativa senão me colocar na frente de batalha para reconstruir o nosso município e ser mais um soldado nas trincheiras da oposição.

Como mulher, como cidadã, como uma idealista, como militante, dedico esse mandato a todos aqueles que sonham com uma política que seja instrumento de transformação social. Não quero nenhum privilégio, não quero me beneficiar do público, não quero me apossar do poder como forma de benefício pessoal. Esse poder que emana do povo tem que ser devolvido ao povo através de políticas públicas, de serviços dignos, de transformação social, de oportunidades iguais e crescimento coletivo. Só acredito na política que seja capaz de representar os anseios da população e construir o novo. Por isso peço o apoio de todos vocês, dos meus pares, das entidades de classe, da imprensa, dos trabalhadores e empresários, enfim, de todo mundo que sonha com uma cidade, um município melhor para se viver. Quero ser a sua vereadora, a sua representante, a sua voz.

Repito: seja por uma semana, por um mês ou por 16 meses, não importa o tempo, mas terá que ser um mandato popular que tenha a cara do povo. Que esse mandato represente a dignidade dos excluídos, os que sofrem sem os serviços básicos de saúde, os que têm o direito à educação de qualidade usurpado, os que padecem pela falta de oportunidades, os que ficam alheios aos serviços sociais, os injustiçados. Vamos todos juntos voltar a sonhar e participar desse grande mutirão de reconstrução do nosso município, da nossa dignidade.

Confie e confirme!!!!!

Muito obrigada!